Características cognitivas e emocionais de crianças vítimas de violência sexual no teste das Pirâmides Coloridas de Pfister

Linéia Polli, Sibeli Carla Garbin Zanin, Icaro Bonamigo Gaspodini

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar características cognitivas e emocionais apresentadas por crianças vítimas de violência sexual por meio da aplicação do teste As Pirâmides Coloridas de Pfister – Versão para Crianças e Adolescentes. Participaram dez crianças (sete a onze anos; 60% meninas) que estavam em atendimento em Unidades Básicas de Saúde em uma cidade do Rio Grande do Sul. Os dados foram analisados descritivamente, por meio da frequência, média e desvio padrão. Os resultados obtidos indicam retraimento frente a situações estimulantes, havendo também indícios de fragilidade egoica, que inclui a fuga e a negação de sentimentos. Estipula-se que o teste das Pirâmides Coloridas de Pfister possa contribuir para o desenvolvimento de intervenções clínicas no contexto da violência sexual infantil, gerando benefícios na abordagem e trabalho dos casos, influenciando tanto os profissionais atuantes quanto as crianças. Futuros estudos com amostras maiores poderão contribuir ainda mais na identificação das características cognitivas e emocionais de crianças vítimas de violência sexual no teste As Pirâmides Coloridas de Pfister.

Texto completo:

PDF

Referências


Aded, N. L. O., Dalcin, B. L. G. S., Moraes, T. M. de., & Cavalcanti, M. T. (2006). Abuso sexual em crianças e adolescentes: Revisão de 100 anos de literatura. Revista Psiquiatria Clínica, 33(4), 204-213. doi:10.1590/S0101-60832006000400006

Amado, B. G., Arce, R., & Herraiz, A. (2015). Psychological injury in victims of child sexual abuse: A meta-analytic review. Psychosocial Intervention, 24(1), 49-62. doi:10.1016/j.psi.2015.03.002

Amazarray, M. R., & Koller, S. H. (1998). Alguns aspectos observados no desenvolvimento de crianças vítimas de abuso sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(3), 559-578. doi:10.1590/S0102-79721998000300014

Baía, P. A. D., Veloso, M. M. X., Magalhães, C. M. C., & Dell’Aglio, D. D. (2013). Caracterização da revelação do abuso sexual de crianças e adolescentes: Negação, retratação e fatores associados. Temas em Psicologia, 21(1), 193-202. doi:10.9788/TP2013.1-14

Borges, J. L., & Dell’Aglio, D. D. (2008). Abuso sexual infantil: Indicadores de risco e consequências no desenvolvimento de crianças. Interamerican Journal of Psychology, 42 (3), 528-536. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28442313.pdf

Cardoso, L. M., & Capitão, C. G. (2007). Avaliação psicológica de crianças surdas pelo Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister. Psico-UFS, 12(2), 135-144. doi:10.1590/S1413-82712007000200002

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução 510/2016. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf

Farah, F. H. Z. (2010). Evidências de validade e precisão no Teste de Pfister para crianças de 6 a 10 anos (Tese de Doutorado, Universidade São Francisco). Recuperado de https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/607850096293169.pdf

Farah, F. H. Z., Cardoso, L. M., & Villemor-Amaral, A. E. de. (2014). Precisão e validade do Pfister para avaliação de crianças. Avaliação Psicológica, 13(2), 187-194. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v13n2/v13n2a06.pdf

Finkelhor, D., & Browne, A. (1985) The traumatic impact of child sexual abuse: A conceptualization. American Journal of Orthopsychiatry, 55(4), 530-541. doi:10.1111/j.1939-0025.1985.tb02703.x

Furniss, T. (1993). Da loucura à maldade: Ponto de partida multidisciplinar e metassistêmico. In T. Furniss (Ed.), Abuso sexual da criança: uma abordagem multidisciplinar (pp. 11-25). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Habigzang, L. F., Dala Corte, F., Hatzenberger, R., Stroeher, F., & Koller, S. H. (2008). Avaliação psicológica em casos de abuso sexual na infância e adolescência. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21 (2), 338-344. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/188/18821221/

Habigzang, L. F., Koller, S. H., Azevedo, G. A., & Machado, P. X. (2005). Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: Aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348. doi:10.1590/S0102-37722005000300011

Hohendorff, J. V., Nelson-Gardell, D., Habigzang, L. F., & Koller, S. H. (2017). An integrative conceptual model for enhanced understanding of the dynamics of sexual violence against children. In Dell’Aglio, D. D.; Koller, S. H. (Eds.), Vulnerable Children and Youth in Brazil: Innovative Approaches from the Psychology of Social Development (pp. 77-88). Springer.

Hohendorff, J. V., Habigzang, L. F., & Koller, S. H. (2014). Violência sexual contra meninos: Teoria e intervenção. Curitiba, PR: Jeruá Editora.

Hohendorff, J. V., Habigzang, L. F., & Koller, S. H. (2012). Violência sexual contra meninos: Dados epidemiológicos, características e consequências. Psicologia USP, 23(2), 395-415. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v23n2/aop0712.pdf

Hohendorff, J. V., & Patias, N. D. (2017). Violência sexual contra crianças e adolescentes: identificação, conscequências e indicações de manejo. Barbarói, 49, 239-257. doi: 10.17058/barbaroi.v0i49.9474

Brasil. (2017). Lei nº 13.431, de 14 de abril de 2017. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13431.htm

Mebarak, M. R., Martínez, M. L., Herrera, A. S., & Lozano, J. E. (2010). Una revisión acerca de la sintomatología del abuso sexual infantil. Psicología desde el Caribe, (25), 128-154. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=21315106007

Mendes, A. P. N., & França, C. P. (2012). Contribuições de Sándor Ferenczi para a compreensão dos efeitos psíquicos da violência sexual. Psicologia em Estudo, 17(1), 121-130. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n1/v17n1a13.pdf

Pfeiffer, L., & Salvagni, E. P. (2005). Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 81(5), 197-204. doi:10.1590/S0021-75572005000700010

Rovinski, S. L. R. (2014). Avaliação psicológica forense em situações de suspeita de abuso sexual em crianças: Possibilidades e riscos. Revista Prâksis, 2, 19-26. Recuperado de http://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/784

Sallquist , J. V., Eisenberg, N., Spinrad, T. L., Reiser, M., Hofer, C., Zhou, Q., Liew, J., & Eggum, N. (2009). Positive and negative emotionality: Trajectories Across six years and relations with social competence. Emotion, 9(1), 15–28. doi:10.1037/a0013970

Schreiber, E., & Mangueira, R. T. da C. (2014). A Violência intrafamiliar na infância: Uma abordagem jurídica e psicológica. Porto Alegre, RS: Arana.

Scortegagna, S. A. (2008). Método de Rorschach e a auto percepção em vítimas de abuso sexual (Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade de São Francisco). Recuperado de https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/6933204358638936.pdf

Serafim, A. de P., Saffi, F., Achá, M. F. F., & Barros, D. M. de (2011). Dados demográficos, psicológicos e comportamentais de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Revista de Psiquiatria Clínica, 38(4), 143-147. doi:10.1590/S0101-60832011000400006

Sgroi, S. M., Blick, L. C., & Porter, F. S. (1982). A comceptual framework for child sexual abuse. In: S. M. Sgroi (Ed.), Handbook of clinical intervention in child sexual abuse (pp. 9-37). EUA: The Free Press.

Silva, L. M. da, & Cardoso, L. M. (2012). Revisão de pesquisas brasileiras sobre o teste Pfister. Avaliação Psicológica, 11(3), 449-460. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v11n3/v11n3a11.pdf

Spiegel, J. (2003). Sexual abuse of males: The SAM model of theory and practice. New York: Routledge.

Summit, R. (1983). The child sexual abuse accommodation syndrome. Child Abuse and Neglect, 7, 177-193. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/6605796

Villemor-Amaral, A. E. de. (2015). As Pirâmides Coloridas de Pfister – Versão para Crianças e Adolescentes. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E. de. (2012). As Pirâmides Coloridas de Pfister. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E. de, Biasi, F. C., Cardoso, L. M., Pavan, P. M. P., & Tavella, R. R. (2015). Rosa e azul: Sexo e idade no Teste de Pfister. Psico-UFS, 20(3), 411-420. doi:10.1590/1413-82712015200304

Villemor-Amaral, A. E. de, Pardini, P. M., Tavella, R. R., Biasi, F. C., & Migoranci, P. B. (2012). Evidências de validade do teste Pfister para avaliação de crianças. Avaliação Psicológica, 11(3), 423-434. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v11n3/v11n3a09.pdf

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., Farah, F. H. Z., Cardoso, L. M., & Franco, R. da R.

C. (2003). Revisão das expectativas no Pfister para uma amostra normativa. Avaliação

Psicológica, 2(2), 185-188. Recuperado de

http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v2n2/v2n2a09.pdf

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., Franco, R. da, R. C., Farah, F. H. Z., Cardoso, L. de, M. & Silva, T. C. da, (2005). O Teste de Pfister na contribuição para diagnóstico de esquizofrenia. - Revista do Departamento de Psicologia UFF, 17(2), 89-98. doi: 10.1590/S0104-80232005000200008

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., & Silva, T. C. (2002). O Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister e o transtorno obsessivo compulsivo. Avaliação Psicológica, 1(2), 133-139. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v1n2/v1n2a06.pdf

World Health Organization. (2002). World report on violence and health. Geneva, Switzerland: Author.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.