Sentidos e Significados da Vida Institucionalizada na Visão de Idosos

Rafaela Henkes, Silvia Virginia Coutinho Areosa

Resumo


O envelhecimento da população caracteriza-se hoje como um fenômeno mundial e, além das alterações biológicas, esse fenômeno está gerando transformações nos âmbitos familiares, econômicos, políticos e sociais, suscitando diversos estudos sobre essa temática. É nesse contexto que estão implicadas as Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), que se constituem como uma alternativa no acolhimento da pessoa idosa. Entretanto, existem aspectos na estrutura e na organização de algumas instituições que geram insatisfação por parte dos seus residentes e, também, da própria sociedade, necessitando, desse modo, uma análise constante para propiciar eventuais reformulações nesses espaços. Assim, esta pesquisa, de cunho qualitativo, objetivou compreender os sentidos e os significados que os idosos, residentes em uma ILPI da cidade de Santa Cruz do Sul-RS, atribuem à experiência da vida institucionalizada. Para a análise dos dados que foram obtidos nesta investigação, através de entrevistas individuais com roteiro semiestruturado, foi utilizado o método fenomenológico proposto pelo filósofo Edmund Husserl, que busca desvendar o fenômeno além da sua aparência, propondo um retorno à totalidade do mundo vivido. O estudo propiciou a compreensão dos diversos elementos que moldam a experiência da vida institucionalizada, que é definida pelo modo singular como cada um dos sujeitos se posiciona em relação a ela e de como essas vivências são por eles concebidas.

Texto completo:

PDF

Referências


Benelli, S. J. (2014). A lógica da internação: instituições totais e disciplinares (des)educativas. Editora Unesp Digital. 252p. Retirado em 14/10/18, do SciELO (Scientific Eletronic Library Online): http://books.scielo.org/id/74z7q/pdf/benelli-9788568334447.pdf

Brasil (2017). Estatuto do Idoso. Lei nº 10.741, de 1° de outubro de 2003 (Estatuto do idoso), e legislação correlata (5ª ed.). Edições Câmara. Retirado em 04/03/18, do Estatuto do Idoso: file://E:/Perfil/Downloads/estatuto_idoso_5ed.pdf

(2005). Resolução de Diretoria Colegiada - RDC nº 283, de 26 de setembro de 2005. Ministério da Saúde - Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Retirado em 04/03/18, do Portal Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_283_2005_COMP.pdf/a38f2055-c23a-4eca-94ed-76fa43acb1df

Bruinsma, J. L., Beuter, M., Leite, M. T., Hildebrandt, L.M., Venturini, L., & Nishijima, R. B. (2017). Conflitos entre idosas institucionalizadas: dificuldades vivenciadas pelos profissionais de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 21(1), 1-8.

Castanheira, M. A. A. F., Correia, A. (2014). A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia – UFG, 1-5.

Coltro, A. (2000). A fenomenologia: um enfoque metodológico para além da modernidade. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, 1(11), 37-45.

Dezan, S. Z. (2015). O envelhecimento na contemporaneidade: reflexões sobre o cuidado em uma instituição de longa permanência para idosos. Revista de Psicologia da UNESP, 14(2), 28-42.

Duarte, N. (Org.) (2004). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados.

Forghieri, Y. C. (1993). Psicologia fenomenológica: fundamentos, métodos e pesquisas. São Paulo: Pioneira.

Goffman, E. (2003). Manicômios, prisões e conventos (7ª ed.) São Paulo: Editora Perspectiva.

Hall, S. (2000). Quem precisa da identidade? In: Silva, T. T. (Org.), Hall, S., Woodward, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (103-133). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lima Fagundes, K. V. D., Esteves, M. R., Ribeiro, J. H. M., Siepierski, C. T., Silva, J. V., & Mendes, M. A. (2017). Instituições de longa permanência como alternativa no acolhimento das pessoas idosas. Rev. Salud Pública, 19(2), 210-214.

Masini, E. F. S. (2000). Enfoque fenomenológico de pesquisa em educação. In: Fazenda, I. (Org.). Metodologia da pesquisa educacional (p. 59-67). 6. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

Minayo, M. C. (2005). Violência contra idosos: o avesso do respeito à experiência e a sabedoria. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Texto: Maria Cecília de Souza Minayo. 2. ed. Retirado em 15/10/18: http://www.observatorionacionaldoidoso.fiocruz.br/biblioteca/_livros/18.pdf

Neri, A. L. (2008a). Palavras-chave em gerontologia (3ª ed.). Campinas, SP: Editora Alínea.

(2008b). As necessidades afetivas dos idosos. In: CRP – Conselho Federal de Psicologia. Envelhecimento e Subjetividade: desafios para uma cultura de compromisso social. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, (103-110). Retirado em 26/03/18: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2009/05/livro_envelhecimentoFINAL.pdf

Oliveira, G. N. (2011). Clínica ampliada e acolhimento: desafios e articulações em construção para a humanização hospitalar. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Cadernos HumanizaSUS: Atenção Hospitalar. Distrito Federal: Ministério da Saúde, 3(B), 51-62. Retirado em: 26/03/18, dos Textos Básicos de Saúde: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizasus_atencao_hospitalar.pdf

Sampaio, T. S. O., Sousa, V. P., Sampaio, L. S., Ferreira, M. J. S., & Prado, A. P. S. (2017). Violência financeira em idosos. Revista Eletrônica da FAINOR, 10(3), 363-375. Retirado em 15/10/18: http://srv02.fainor.com.br/revista/index.php/memorias/article/viewFile/665/350

Silva, N. M. N., Azevedo, A. C. S., Farias, L. M. S., & Lima, J. M. (2017). Caracterização de uma instituição de longa permanência para idosos. Cuidado é fundamental. Universidade Federal do Rio de Janeiro – Escola de Enfermagem Alfredo Pinto, 9(1), 159-166. Retirado em 25/03/18: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5304

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Silva, T. T. (Org.), Hall, S., Woodward, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (7-72). Petrópolis, RJ: Vozes.

Zimerman, G. I. (2000). Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artmed.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.