O MITO FUNDACIONAL NA CULTURA GAÚCHA: UMA INTERPRETACAO À LUZ DE STUART HALL

Luis Carlos Borges dos Santos

Resumo


Este artigo tem por objetivo problematizar, a partir da análise que Stuart Hall (2006) levanta sobre o processo da construção do mito fundacional, em sua obra intitulada A identidade nacional na pós-modernidade. Para tanto, objetivamos, neste texto, provocar algumas reflexões sobre o processo fundacional da cultura gaúcha. Partindo das provocações que Hall (2006) levanta sobre esse processo de identidade nacional, procuramos construir nossa interpretação da formação da cultura gaúcha, partindo das seguintes perguntas: Será que a cultura gaúcha também não seria imaginada? Que elementos teriam sido inventados nesta tradição? Quais são os mitos fundacionais? Procuramos, neste texto, não desconstruir o que já está consolidado, mas, sim, provocar o senso crítico que a cultura nos coloca.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Lenildes Ribeiro Silva. Pierre Bourdieu: a Transformação Social no

Contexto de “a Reprodução”. Revista Inter Ação, v. 30, n. 1, p. 139-155, 2007.

Disponível em https://www.revistas.ufg.br/interacao/article/viewFile/1291/1343 .

ANDERSON, Benedict R. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a

difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

BRIGNOL, Liliane Dutra. Uma estância revisitada: a consolidação de uma

comunidade imaginada e a dinâmica da produção aos usos em um site pessoal

sobre cultura gaúcha. PUCRS. IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da

Intercom, 2004.

CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. São

Paulo: Paz e Terra, 2000.

CARDIA, Rodrigo de. Jean Marie, o Brasil vai até o Chuí: Futebol e identidade

“gaúcha” nas páginas da Folha Esportiva ( 1967-1972). 2009. Monografia

(Graduação em História) – IFCH, UFRGS, Porto Alegre.

GOLIN, Tau. Bento Gonçalves: herói ladrão. Santa Maria LGR Artes Gráficas.

______. A ideologia do gauchismo. Porto Alegre: Tchê!, 1983.

HAESBAERT, Rogério. Des-territorialização e identidade: a rede gaúcha no

Nordeste. Niterói: EDUFF, 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 9. ed. Rio de Janeiro:

DP&A, 2006.

MARTINS, C. B. Estrutura e ator: a teoria da prática em Bourdieu. Educação &

Sociedade, São Paulo, v. 9, n. 27, p. 33-46, set. 1987.

MENEGAT, Carla; ZALLA, Jocelito. História e memória da Revolução Farroupilha:

breve genealogia do mito. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 62, p.

-70, 2011.

OLIVEN, Ruben G. A parte e o todo: a diversidade cultural no Brasil-nação. 2. ed.

Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

REIS, Heloisa dos. Futebol e violência. Campinas: Editora Armazém do Ipê, 2006.

SAUSSURE, F. de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.