Características de personalidade de crianças vítimas de violência sexual no Pfister

Linéia Polli, Sibeli Carla Garbin Zanin, Icaro Bonamigo Gaspodini

Resumo


O objetivo deste estudo foi verificar características de personalidade apresentadas por crianças vítimas de violência sexual por meio da aplicação do teste As Pirâmides Coloridas de Pfister – Versão para Crianças e Adolescentes. Participaram 10 crianças (sete a 11 anos; 60% meninas) que estavam em atendimento em Unidades Básicas de Saúde em uma cidade do Rio Grande do Sul. Os dados foram analisados descritivamente, por meio da frequência, média e desvio padrão. Os resultados obtidos indicam retraimento frente a situações estimulantes, havendo também indícios de fragilidade egoica, que inclui a fuga e a negação de sentimentos. Estipula-se que o Pfister possa contribuir para o desenvolvimento de intervenções clínicas no contexto da violência sexual infantil, gerando benefícios tanto para os profissionais atuantes quanto para a criança. Futuros estudos com amostras maiores podem identificar e correlacionar as características de personalidade de crianças vítimas de violência sexual no teste As Pirâmides Coloridas de Pfister.


Referências


Aded, N. L. O., Dalcin, B. L. G. S., Moraes, T. M. de., & Cavalcanti, M. T. (2006). Abuso sexual em crianças e adolescentes: Revisão de 100 anos de literatura. Revista Psiquiatria Clinica, 33(4), 204-213. doi:10.1590/S0101-60832006000400006

Amado, B. G., Arce, R., & Herraiz, A. (2015). Psychological injury in victims of child sexual abuse: A meta-analytic review. Psychosocial Intervention, 24(1), 49-62. doi:10.1016/j.psi.2015.03.002

Amazarray, M. R., & Koller, S. H. (1998). Alguns aspectos observados no desenvolvimento de crianças vítimas de abuso sexual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11(3), 559-578. doi:10.1590/S0102-79721998000300014

Baía, P. A. D., Veloso, M. M. X., Magalhães, C. M. C., & Dell’Aglio, D. D. (2013). Caracterização da revelação do abuso sexual de crianças e adolescentes: Negação, retratação e fatores associados. Temas em Psicologia, 21(1), 193-202. doi:10.9788/TP2013.1-14

Borges, J. L., & Dell’Aglio, D. D. (2008). Abuso sexual infantil: Indicadores de risco e consequências no desenvolvimento de crianças. Interamerican Journal of Psychology, 42 (3), 528-536. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/284/28442313.pdf

Cardoso, L. M., & Capitão, C. G. (2007). Avaliação psicológica de crianças surdas pelo Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister. Psico-UFS, 12(2), 135-144. doi:10.1590/S1413-82712007000200002

Conselho Nacional de Saúde (2016). Resolução 510/2016. Recuperado de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/reso510.pdf

Farah, F. H. Z. (2010). Evidências de validade e precisão no Teste de Pfister para crianças de 6 a 10 anos (Tese de Doutorado, Universidade São Francisco). Recuperado de https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/607850096293169.pdf

Farah, F. H. Z., Cardoso, L. M., & Villemor-Amaral, A. E. de. (2014). Precisão e validade do Pfister para avaliação de crianças. Avaliação Psicológica, 13(2), 187-194. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v13n2/v13n2a06.pdf

Finkelhor, D., Browne, A. (1985) The traumatic impact of child sexual abuse: A conceptualization. American Journal of Orthopsychiatry, 55(4), 530-541. doi:10.1111/j.1939-0025.1985.tb02703.x

Furniss, T. (1993). Da loucura à maldade: Ponto de partida multidisciplinar e metassistêmico. In T. Furniss (Ed.), Abuso sexual da criança: uma abordagem multidisciplinar (pp. 11-25). Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

Habigzang, L. F., Dala Corte, F., Hatzenberger, R., Stroeher, F., & Koller, S. H. (2008). Avaliação psicológica em casos de abuso sexual na infância e adolescência. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21 (2), 338-344. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/188/18821221/

Habigzang, L. F., Koller, S. H., Azevedo, G. A., & Machado, P. X. (2005). Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: Aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 21(3), 341-348. doi:10.1590/S0102-37722005000300011

Hohendorff, J. V. et al. (2017). An integrative conceptual model for enhanced understanding of the dynamics of sexual violence against children. In Dell’Aglio, D. D.; Koller, S. H. (Eds.), Vulnerable Children and Youth in Brazil: Innovative Approaches from the Psychology of Social Development (pp. 77-88). Springer.

Hohendorff, J. V., Habigzang, L. F., & Koller, S. H. (2014). Violência sexual contra meninos: Teoria e intervenção. Curitiba, PR: Jeruá Editora.

Hohendorff, J. V., Habigzang, L. F., & Koller, S. H. (2012). Violência sexual contra meninos: Dados epidemiológicos, características e consequências. Psicologia USP, 23(2), 395-415. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v23n2/aop0712.pdf

Hohendorff, J. V., & Patias, N. D. (2017). Violência sexual contra crianças e adolescentes: identificação, conscequências e indicações de manejo. Barbarói, 49, 239-257. doi: 10.17058/barbaroi.v0i49.9474

Brasil. (2017). Lei nº 13.431, de 14 de abril de 2017. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13431.htm

Mebarak, M. R., Martínez, M. L., Herrera, A. S., & Lozano, J. E. (2010). Uma revisión acerca de la sintomatología del abuso sexual infantil. Psicología desde el Caribe, (25), 128-154. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=21315106007

Mendes, A. P. N., & França, C. P. (2012). Contribuições de Sándor Ferenczi para a compreensão dos efeitos psíquicos da violência sexual. Psicologia em Estudo, 17(1), 121-130. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n1/v17n1a13.pdf

Pfeiffer, L., & Salvagni, E. P. (2005). Visão atual do abuso sexual na infância e adolescência. Jornal de Pediatria, 81(5), 197-204. doi:10.1590/S0021-75572005000700010

Rovinski, S. L. R. (2014). Avaliação psicológica forense em situações de suspeita de abuso sexual em crianças: Possibilidades e riscos. Revista Prâksis, 2, 19-26. Recuperado de http://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/784

Sallquist , J. V., Eisenberg, N., Spinrad, T. L., Reiser, M., Hofer, C., Zhou, Q., Liew, J., & Eggum, N. (2009). Positive and negative emotionality: Trajectories Across six years and relations with social competence. Emotion, 9(1), 15–28. doi:10.1037/a0013970

Schreiber, E., & Mangueira, R. T. da C. (2014). A Violência intrafamiliar na infância: Uma abordagem jurídica e psicológica. Porto Alegre, RS: Arana.

Scortegagna, S. A. (2008). Método de Rorschach e a auto percepção em vítimas de abuso sexual (Tese de Doutorado em Psicologia, Universidade de São Francisco). Recuperado de https://www.usf.edu.br/galeria/getImage/427/6933204358638936.pdf

Serafim, A. de P., Saffi, F., Achá, M. F. F., & Barros, D. M. de (2011). Dados demográficos, psicológicos e comportamentais de crianças e adolescentes vítimas de abuso sexual. Revista de Psiquiatria Clínica, 38(4), 143-147. doi:10.1590/S0101-60832011000400006

Sgroi, S. M., Blick, L. C., & Porter, F. S. (1982). A comceptual framework for child sexual abuse. In: S. M. Sgroi (Ed.), Handbook of clinical intervention in child sexual abuse (pp. 9-37). EUA: The Free Press.

Silva, L. M. da, & Cardoso, L. M. (2012). Revisão de pesquisas brasileiras sobre o teste Pfister. Avaliação Psicológica, 11(3), 449-460. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v11n3/v11n3a11.pdf

Spiegel, J. (2003). Sexual abuse of males: The SAM model of theory and practice. New York: Routledge.

Summit, R. (1983). The child sexual abuse accommodation syndrome. Child Abuse and Neglect, 7, 177-193. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/6605796

Villemor-Amaral, A. E. de. (2015). As Pirâmides Coloridas de Pfister – Versão para Crianças e Adolescentes. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Villemor-Amaral, A. E. de, Biasi, F. C., Cardoso, L. M., Pavan, P. M. P., & Tavella, R. R. (2015). Rosa e azul: Sexo e idade no Teste de Pfister. Psico-UFS, 20(3), 411-420. doi:10.1590/1413-82712015200304

Villemor-Amaral, A. E. de, Pardini, P. M., Tavella, R. R., Biasi, F. C., & Migoranci, P. B. (2012). Evidências de validade do teste Pfister para avaliação de crianças. Avaliação Psicológica, 11(3), 423-434. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v11n3/v11n3a09.pdf

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., Farah, F. H. Z., Cardoso, L. M., & Franco, R. da R. C. (2003). Revisão das expectativas no Pfister para uma amostra normativa. Avaliação Psicológica, 2(2), 185-188. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v2n2/v2n2a09.pdf

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., Franco, R. da, R. C., Farah, F. H. Z., Cardoso, L. de, M. & Silva, T. C. da, (2005). O Teste de Pfister na contribuição para diagnóstico de esquizofrenia. Revista do Departamento de Psicologia - UFF, 17(2), 89-98. doi: 10.1590/S0104-80232005000200008

Villemor-Amaral, A. E. de, Primi, R., & Silva, T. C. (2002). O Teste das Pirâmides Coloridas de Pfister e o transtorno obsessivo compulsivo. Avaliação Psicológica, 1(2), 133-139. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v1n2/v1n2a06.pdf

World Health Organization. (2002). World report on violence and health. Geneva, Switzerland: Author.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.