“A UTI fica mais colorida e animada”: percepções da equipe de saúde acerca dos benefícios da entrada de crianças em UTI Adulta

Amanda Wecker, Jéssica Schuster Weizenmann, Katiele Lubianca Sander Nunes, Rhaíra Côrrea, Carmen Esther Rieth

Resumo


A Unidade de Terapia Intensiva é destinada ao cuidado de pacientes críticos, dispondo de cuidados complexos e controles rigorosos. Inúmeros hospitais proíbem a entrada de crianças menores de 12 anos nestas unidades. No hospital onde se realizou a pesquisa, se construiu um trabalho interdisciplinar para viabilizar as visitas. A equipe de psicologia faz uma intervenção com a criança, onde são avaliadas informações já concedidas à criança e o contexto familiar e, fazendo uso de estratégias lúdicas, informa à criança o estado do paciente e rotinas do hospital. Todos os profissionais das equipes acompanham a criança, possibilitando perguntas e interação com o paciente sempre que possível. Nova intervenção é feita com a criança após a visita, pela psicologia. O objetivo deste estudo é verificar a percepção da equipe de saúde sobre os benefícios da visita de crianças em UTI Adulta. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva, com coleta de entrevistas de onze profissionais da UTI Adulta de um hospital da região metropolitana de Porto Alegre. Os dados foram analisados através da análise temática de Minayo (2010). Identificou-se três eixos temáticos: benefícios (paciente e criança), melhora no ambiente da UTI e a necessidade de preparo da criança para a visita. Considera-se que são muitos os benefícios relacionados à visita de crianças em UTI, proporcionando para paciente, família, criança e equipe um atendimento mais humanizado e transformando a família e a criança em colaboradores ativos no cuidado com o paciente.


Referências


Aberastury, A. (1984). A percepção da morte nas crianças. In Aberastury, A, A percepção da morte na criança e outros escritos. (128-139). Porto Alegre: Artes Médicas.

AMIB – Associação de Medicina Intensiva Brasileira. (2004). Humanização em cuidados intensivos. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter Ltda.

Batista, J. (2015). Laços no desenlace ou desenlace dos laços? refletindo sobre família, luto e UTI. In Ismael, S. & Guidugli, S. Do nascimento à morte: novos caminhos na prática da Psicologia Hospitalar. São Paulo: Atheneu.

Beccaria, L et al. (2008). Visita em unidades de terapia intensiva: concepção dos familiares quanto à humanização do atendimento. Arq. Ciênc. Saúde, 5(2), 65-69. Disponível em: http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/vol-15-2/id%20263.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

Borges, K., Genaro, L. & Monteiro, C. (2010). Visita de crianças em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 22(3), 300-304. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v22n3/13.pdf. Acesso em: 02 fev. 2019.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (1990). Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L8069.htm. Acesso em: 20 fev. 2019.

Castro, E. & Job, C. (2010). Câncer na mãe e o impacto psicológico no comportamento de seus filhos pequenos. Revista Interinstitucional de Psicologia, 3(2), 36-147. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v3n2/v3n2a04.pdf. Acesso: 04 fev. 2019.

Santos, S. J., Almeida, S. A. & Júnior, J. R. (2012). A atuação do psicólogo em unidade de terapia intensiva (UTI). Caderno de Graduação-Ciências Biológicas e da Saúde-UNIT-ALAGOAS, 1(1), 11-16. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitsbiosaude/article/view/461. Acesso em: 11 mar. 2019.

Franco, M. (2008). A família em psico-oncologia. In Carvalho, V., Franco, M. & Kovács, M. Temas em psico-oncologia. São Paulo: Summus, 2008, p. 358-361.

Franco, M. & Mazzorra, L. (2007). Criança e luto: vivências fantasmáticas diante da morte do genitor. Estudos de Psicologia, Campinas, 24(4), 503-511. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-166X2007000400009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 09 fev. 2019.

Gabarra, L. M. & Nunes, M. E. (2018). Visita de crianças e adolescentes em UTI adulto: vivência de familiares. Revista Psicologia e Saúde, 10(3), 109-125. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/328467284_Visita_de_criancas_e_adolescentes_em_UTI_adulto_vivencia_de_familiares. Acesso em: 11 mar. 2019.

Gibaut, M et al. (2013). Conforto de familiares de pessoas em Unidade de Terapia Intensiva frente ao acolhimento. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(5), 1114-1121. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n5/pt_0080-6234-reeusp-47-05-1114.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

Haberkorn, A. (2004). Atuação psicológica na UTI. In Bruscato, W., Benedetti, C. & LOPES, S. A prática da psicologia hospitalar na Santa Casa de São Paulo: novas páginas em uma antiga história. Casa do Psicólogo.

Hupcey, J. (2000). Feeling safe: the psychological needs of ICU patients. Journal of Nursing Scholarship, 32, 361-367. Disponível em: https://sigmapubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1547-5069.2000.00361.x. Acesso em: 11 fev. 2019.

Kennedy, V. & Lloyd-Williams, M. (2009). Information and communication when a parent has advanced cancer. Journal of Affective Disorders, 114, 149-155. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18684513. Acesso em: 04 fev. 2019.

Kovács, M. & Lima, V. (2011). Morte na família: um estudo exploratório acerca da comunicação com a criança. Psicologia, Ciência e Profissão, 31, 390-405. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-98932011000200014&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 09 fev. 2019.

Lima, F. & Martins, C. (2017). Reflexões sobre o trabalho da psicologia na UTI. Saúde em Redes, 3(3), 207-213. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/858. Acesso em: 11 mar. 2019.

Marziale, M et al. (1990). A linguagem das cores no ambiente hospitalar: percepção dos membros da equipe de enfermagem. In Resumos de enfermagem, II Simpósio Brasileiro de Comunicação em Enfermagem (228-248), Ribeirão Preto, SP.

Matos, E. (2007). Pedagogia Hospitalar: a humanização integrando educação e saúde. 2ª ed. Petrópolis: Vozes.

Mezzomo, J. (2001). Gestão da qualidade na saúde: princípios básicos. Barueri: Manole.

Minayo, M. (Org.) (2010). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29ª ed. Petrópolis: Vozes.

Moraes, J., Garcia, V. & Fonseca, A. (2004). Assistência prestada na unidade de terapia intensiva adulta: visão dos clientes. Revista Nursing. 79(7). Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=16482&indexSearch=ID. Acesso em: 06 fev. 2019.

Silva, G et al. (2014). A influência do lúdico no cuidado humanizado a pacientes oncológicos pediátricos no hospital do município de Aracaju-Se. Alafede. 4(3). Disponível em: < https://www.enfermeria21.com/revistas/aladefe/articulo/129/a-influencia-do-ludico-no-cuidado-humanizado-a-pacientes-oncologicos-pediatricos-no-hospital-do-municipio-de-aracaju-se/>. Acesso em: 11 fev. 2019

Sousa Neto, R., Tarabay, C. & Lourenço, M. (2017). Reflexões sobre a visita da criança durante a hospitalização de um ente querido na UTI adulto. Revista da SBPH, 20(1), 5-16. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-08582017000100002. Acesso em: 11 mar. 2019.

Torres, W. (1979). O conceito de morte na criança. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 31(4), 9-34. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abp/article/view/18239/16986. Acesso: 02 fev. 2019.

Vendruscolo, J. (2005). Visão da criança sobre a morte. Medicina, Ribeirão Preto, 38,(1), 26-33. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/420. Acesso em: 01 fev. 2019.

Vint, P. (2005). An exploration of the support available to children who may wish to visit a critically adult in ITU. Intensive Critical Care Nursing, 21(3), 149-159. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0964339704001132. Acesso em: 11 fev. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.