HETEROCENTRISMO E CISCENTRISMO: CRENÇAS DE SUPERIORIDADE SOBRE ORIENTAÇÃO SEXUAL, SEXO E GÊNERO

Icaro Bonamigo Gaspodini, Jaqueline Gomes de Jesus

Resumo


O objetivo deste artigo foi apresentar uma organização de conceitos por meio da qual seria possível identificar diferentes partes do processo de violência contra diversidade sexual e de gênero, no intuito de contribuir para que psicólogas/os examinem suas próprias crenças e atitudes, bem como repensem suas práticas psicológicas frente a esse público. Trata-se de um texto introdutório e didático, baseado em três marcadores sociais da diferença: orientação sexual, sexo e gênero. Entende-se que crenças de superioridade sobre orientação sexual (heterocentrismo) e sobre sexo e gênero (ciscentrismo) fundamentam práticas cotidianas de invisibilização e estigmação de pessoas transgênero (cisgenerismo) e pessoas intersexo (cissexismo), as quais se transformam em violência explícita quando culturalmente dessensibilizadas. Acredita-se que o conhecimento e a consideração de novos conceitos sobre diversidade sexual e de gênero fazem parte da preparação e atualização da/o psicóloga/o para combater o preconceito em suas diversas formas de atuação. Portanto, com este artigo, espera-se contribuir com a produção acadêmico-científica vigente no tema e disseminar conhecimentos fundamentais dessa área de estudos.

Texto completo:

PDF

Referências


American Psychological Association. (2015). Guidelines for psychological practice with transgender and gender nonconforming people. American Psychologist, 70(9), 832-864. doi:10.1037/a0039906.

American Psychological Association, Catelan, R. F., & Costa, A. B. (2015). Diretrizes para práticas psicológicas com pessoas trans e em não conformidade de gênero. Retirado em 20/03/2020, de http://crprs.org.br/diversidade

American Psychological Association / PsycEXTRA. (2017). IPsyNet statement on LGBTIQ+ concerns. doi:10.1037/e506952018-001

Aultman, B. L. (2014). Cisgender. TSQ: Transgender Studies Quarterly, 1(1-2), 61–62. doi:10.1215/23289252-2399614

Borges, L. S., Canuto, A. de A. A., Oliveira, D. P. de, & Vaz, R. P. (2013). Abordagens de gênero e sexualidade na psicologia: Revendo conceitos, repensando práticas. Psicologia: Ciência e Profissão, 33(3), 730-745. doi:10.1590/S1414-98932013000300016

Bourdieu, P. (2014). A dominação masculina. (M. H. Kühner, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: BestBolso.

Butler, J. (1990). Gender trouble: Feminism and the subversion of identity. New York, NY: Routledge.

Canguilhem, G. (1966). Le normal et le pathologique: Augmenté de Nouvelles réflexions concernant le normal et le pathologique. Paris: Quadrige.

Cava, P. (2016). Cisgender and cissexual. In A. Wong, M. Wickramasinghe, R. Hoogland, & N. A. Naples (Eds.), The Wiley Blackwell encyclopedia of gender and sexuality studies (pp. 1-4). doi:10.1002/9781118663219.wbegss131

Conselho Federal de Psicologia. (2005). Código de ética profissional do psicólogo. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia.

Conselho Federal de Psicologia. (2015). Despatologização das identidades trans e travestis. Retirado em 20/03/2020, de https://despatologizacao.cfp.org.br/sobre

Conselho Federal de Psicologia. (2020). A psicologia brasileira apresentada em números. Retirado em 20/03/2020, de http://www2.cfp.org.br/infografico/quantos-somos

Conselho Federal de Psicologia. (n.d.). Nota técnica sobre processo transexualizador e demais formas de assistência às pessoas trans. Retirado em 20/03/2020, de https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/09/Nota-t%C3%A9cnica-processo-Trans.pdf

Costa, J. F. (1995a). A construção cultural da diferença dos sexos. Sexualidade, Gênero e Sociedade, 3(2), 3-8.

Costa, J. F. (1995b). A face e o verso: Estudos sobre o homoerotismo II. São Paulo: Escuta.

Crenshaw, K. W. (1991). Mapping the margins: Intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, 43(6), 1241-1299. doi:10.2307/1229039

Fish, J. (2006). Heterosexism in health and social care. London, UK: Palgrave Macmillan. doi:10.1057/9780230800731_1

Foucault, M. (1985). História da sexualidade III: O cuidado de si. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Gaspodini, I. B., & Falcke, D. (2018a). Diversidade sexual e de gênero na prática clínica em psicologia. In Sociedade Brasileira de Psicologia, R. Gorayeb, M. C. Miyazaki, & M. Teodoro (Eds.), PROPSICO – Programa de atualização em psicologia clínica e da sáude: Ciclo 2 (pp. 83-110). Porto Alegre: Artmed Panamericana.

Gaspodini, I. B., & Falcke, D. (2018b). Relações entre preconceito e crenças sobre diversidade sexual e de gênero em psicólogos/as brasileiros/as. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(4), 744–757. https://doi.org/10.1590/1982-3703001752017

Gaspodini, I. B., & Falcke, D. (2018c). Sexual and gender diversity in clinical practice in psychology. Paidéia, 28(e2827), 1–9. doi:10.1590/1982-4327e2827

Herek, G. M., & McLemore, K. A. (2013). Sexual prejudice. Annual Review of Psychology, 64, 309-333. doi:10.1146/annurev-psych-113011-143826

Intersex Society of North America. (2008). Frequently asked questions. Retirado em 12/10/2019, de http://www.isna.org/faq

Jesus, J. G. de (Ed.). (2014). Transfeminismo: Teorias e práticas. Rio de Janeiro, RJ: Metanoia.

Jesus, J. G. de. (2013). O conceito de heterocentrismo: Um conjunto de crenças enviesadas e sua permanência. Psico-USF, 18 (3), 363–372. doi:10.1590/s1413-82712013000300003

Jesus, J. G. de, & Kaas, H. (2010). Feminismo transgênero e movimentos de mulheres transexuais. Cronos, 11(2), 8-19. Retirado em 20/03/2020, de https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/2150

Kaas, Hailey, & Bagagli, Bia P. (n.d.). Transfeminismo: Feminismo interseccional relacionado às questões trans. Retirado em 20/03/2020, de http://transfeminismo.com

Laqueur, T. (1990). Making sex: Body and gender from the Greeks to Freud. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Louro, G. L. (Ed.). (1999). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Machado, P. S. (2005). O sexo dos anjos: Um olhar sobre a anatomia e a produção do sexo (como se fosse) natural. Cadernos Pagu, (24), 249-281. doi:10.1590/s0104-83332005000100012

Machado, P. S. (2008). Intersexualidade e o "Consenso de Chicago": As vicissitudes da nomenclatura e suas implicações regulatórias. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23(68), 109-123. doi:10.1590/S0102-69092008000300008

Pelúcio, L. (2011). Marcadores sociais da diferença nas experiências travestis de enfrentamento à aids. Saúde e Sociedade, 20 (1), 76-85. doi:10.1590/s0104-12902011000100010

Prado, M. A. P., & Machado, F. V. (2008). Preconceito contra homossexualidades: A hierarquia da invisibilidade. São Paulo, SP: Cortez.

Rankin, C. H., Abrams, T., Barry, R. J., Bhatnagar, S., Clayton, D. F., Colombo, J., … Thompson, R. F. (2009). Habituation revisited: An updated and revised description of the behavioral characteristics of habituation. Neurobiology of Learning and Memory, 92(2), 135-138. doi:10.1016/j.nlm.2008.09.012

Rich, A. (1980). Compulsory heterosexuality and lesbian existence. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 5(4), 631-660. doi:10.1086/493756

Scott, J. W. (1986). Gender: A useful category of historical analysis. The American Historical Review, 91(5), 1053-1075. doi:10.2307/1864376

Sennott, S., & Smith, T. (2011). Translating the sex and gender continuums in mental health: a transfeminist approach to client and clinician fears. Journal of Gay & Lesbian Mental Health, 15(2), 218-234. doi:10.1080/19359705.2011.553779

Suess, A. (2014). Cuestionamiento de dinámicas de patologización y exclusión discursiva desde perspectivas trans e intersex. Revista de Estudios Sociales, 35(49), 128–143. doi:10.7440/res49.2014.10

Tenório, L. F. P., & Prado, M. A. M. (2016). As contradições da patologização das identidades trans e argumentos para a mudança de paradigma. Revista Periódicus, 1(5), 41-55. doi:10.9771/peri.v1i5.17175

Vezzosi, J. I. P., Ramos, M. de M., Segundo, D. S. de A., & Costa, A. B. (2019). Crenças e atitudes corretivas de profissionais de psicologia sobre a homossexualidade. Psicologia: Ciência e Profissão (39), e228539, 1-19. doi:10.1590/1982-3703003228539

Warner, M. (1991) Fear of a queer planet. Durham, UK: Duke University Press.

Yogyakarta Principles: The principles on the application of international human rights law in relation to sexual orientation and gender identity. (2007). Retirado em 20/03/2020, de http://data.unaids.org/pub/manual/2007/070517_yogyakarta_principles_en.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.