Uma revisão de literatura sobre os fatores que contribuem para o envelhecimento ativo na atualidade

Fernanda Comerlato Forner, Cássia Ferrazza Alves

Resumo


O número de idosos vem crescendo na sociedade brasileira, tendo em vista o aumento da expectativa de vida. Com base neste fato, este estudo tem como objetivo, através de uma revisão de literatura, identificar os fatores que contribuem para o envelhecimento ativo na atualidade. Foi realizado um levantamento de artigos científicos nas bases de dados Scielo, Lilacs e Ebsco, localizando 394 artigos, sendo incluídos e analisados 55 artigos na íntegra, considerando a área do estudo, objetivos, método e principais resultados. A partir da análise, foram construídas as seguintes categorias: desenvolvimento físico e cognição; desenvolvimento psicológico; contexto social e autocuidado. Foi possível identificar que hábitos como alimentação saudável, atividade física, estimulação cognitiva, exames preventivos, saúde mental, relacionamentos interpessoais e familiares, uso controlado de medicamentos, participação em grupos de convivência, contribuem para um envelhecimento ativo, possibilitando uma melhor qualidade de vida para as pessoas idosas.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, A. P., & Macri, R. (2010). Promovendo a qualidade de vida dos idosos através da arteterapia. Revista Online de Pesquisa Cuidado é Fundamental, 2(Ed.Supl.), 710-713. Doi: 10.9789/2175-5361.2010.v0i0.%25p

Almeida, L. F. F., Freitas, E. L., Salgado, S. M. L., Gomes, I. S., Franceschini, S. C. C., & Ribeiro, A. Q. (2015). Projeto de intervenção comunitária “Em Comum-Idade”: Contribuições para a promoção da saúde entre idosos de Viçosa, MG, Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 20(12), 3763-3774. Doi: 10.1590/1413-812320152012.10082015

Ascari, R. A., Comiran, D. F., Farias, A. A. P., & Ferreira, L. E. (2015). A percepção do idoso acerca das atividades sociais e saúde. Revista estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, 20(1), 103-119.

Banhato, E. F. C., Scoralick, N. N., Guedes, D. V., Atalaia-Silva, K. C., & Mota, M. M. P. E. (2009). Atividade física, cognição e envelhecimento: estudo de uma comunidade urbana. Revista Psicologia Teoria e Prática, 11(1), 76-84.

Barros, G. W., Garcia, E. R., D’amorim, I. R., Silva, A. R., Vasconcelos, G. C., & Carvalho, P. R. (2014). Efeito da atividade física na aptidão e qualidade de vida de idosas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 14(1), 1067-1075.

Beckert, M., Irigaray, T. Q., & Trentini, C. M. (2012). Qualidade de vida, cognição e desempenho nas funções executivas de idosos. Estudos de Psicologia (Campinas), 29(2), 155-162. Doi: 10.1550/S0103-166X2012000200001

Bernardo, M. H. J., Menezes, M. F. G., Assis, M., Pacheco, L. C., & Mecenas, A. S. (2009). A saúde no diálogo com a vida cotidiana: a experiência do trabalho educativo com idosos no grupo roda da saúde. Revista APS, 12(4), 504-509.

Bertoletti, E., & Junges, J. R. (2014). O autocuidado de idosas octogenárias: desafios à psicologia. Revista Kairós Gerontologia, 17(3), 285-303.

Bobbo, V. C. D., Trevisan, D. D., Amaral, M. C. E., & Silva, E. M. (2018). Saúde, dor e atividades de vida diária entre idosos praticantes de Lian Gong e sedentários. Revista Ciência & Saúde Coletiva, 23(4), 1151-1158. Doi: 10.1590/1413-81232018234.17682016

Borges, L. M., & Seidl, E. M. F. (2014). Saúde autopercebida e qualidade de vida de homens participantes de intervenção psicoeducativa para idosos. Revista Psico-USF, 19(3), 421-431. Doi: 10.1590/1413-82712014019003005

Brasil (2004). Estatuto do idoso: Lei Federal nº 10.741, de 01 de outubro de 2003. Brasília, DF: Secretaria Especial dos Direitos Humanos.

Bresqui, G. N., Silva, E. A. L., Silva, J. R., Turato, V. G. G., Pereira, A. S., Faria, C. R. S., & Camargo, R. C. T. (2015). Avaliação da força muscular de membros inferiores em idosas praticantes de atividade física. Revista Unoeste, 7(1), 38-45. Doi: 10.5747/cv.2015.v07.n1.v123

Brunoni, L., Schuch, F. B., Dias, C. P., Kruel, L. F. M., & Tiggemann, C. L. (2015). Treinamento de força diminui os sintomas depressivos e melhora a qualidade de vida relacionada a saúde em idosas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 29(2), 189-196. Doi: 10.1590/1807-55092015000200189

Cartaxo, H. G. O., Silva, E. A. P. C., Santos, A. R. M., Siqueira, P. G. B. S., Pazzola, C. M., & Freita, C. M. S. M. (2012). Percepção de idosas sobre o envelhecimento com qualidade de vida: subsídio para intervenções públicas. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 13(1),158-168. Doi: 10.15253/ver%20rene.v13i1.3787

Caetano, A. C. M., & Tavares, D. M. S. (2008). Unidade de atenção ao idoso: atividades, mudanças no cotidiano e sugestões. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(3), 622-631.

Camargo, T. C. A., Telles, S. C. C., & Souza, C. T. V. (2018). A (re) invenção do cotidiano no envelhecimento pelas práticas corporais e integrativas: escolhas possíveis, responsabilização e autocuidado. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 26(2), 367-380. Doi: 10.4322/2526-8910.ctoAO1238

Carvalho, E. D., Valadares, A. L. R., Costa-Paiva, L. H., Pedro, A. O., Morais, S.S., & Pinto-Neto, A. M. (2010). Atividade física e qualidade de vida em mulheres com 60 anos ou mais: fatores associados. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 32(9), 433-440.

Castro, L. D., Freitas, C., Gonçalves, M., Lucca, M. G., Melo, M., Silva, J. F., . . . & Santana, K. A. (2014). Envelhecimento e qualidade de vida: Um estudo comparativo em mulheres e homens idosos de Uberlândia, Minas Gerais. Revista Eletrônica da Reunião Anual de Ciência, 4(1), 2-11.

Caporicci, S., & Neto, M. F. O. (2011). Estudo comparativo de idosos ativos e inativos através da avaliação das atividades da vida diária e medição da qualidade de vida. Revista Motricidade, 7(2), 15-24.

Celich, K. L. S., Creutzberg, M., Goldim, J. R., & Gomes, I. (2010). Envelhecimento com qualidade de vida: a percepção de idosos participantes de grupos de terceira idade. Revista Mineira de Enfermagem, 14(2), 226-232. Doi: S1415-27622010000200012

Costa, N. P., Polaro, S. H. I., Vahl, E. A. C., & Gonçalves, L. H. T. (2016). Contação de história: tecnologia cuidativa na educação permanente para o envelhecimento ativo. Revista Brasileira de Enfermagem, 69(6), 1132-1139. Doi: 10.1590/0034-7167-2016-0390

Cunha, G., & Silva, R. R. (2010). A importância da prática da atividade física em indivíduos idosos. Educação Física em Revista, 4(1), 1-17.

Fernandes, M. G. M. (2009). Papéis sociais de gênero na velhice: o olhar de si e do outro. Revista Brasileira de Enfermagem, 62(5), 705-10.

Fonseca, G. G. P., Parcianello, M. K., Dias, C. F. C., & Zamberlan, C. (2013). Qualidade de vida na terceira idade: considerações da enfermagem. Revista Enfermagem da UFSM, 3(1), 362-366. Doi: 10.5902/217976926390

Gonçalves, A. K., Teixeira, A. R., Freitas, C. R., Blessmann, E. J., Roedel, L., Martins, M. G., . . . & Bós, A. J. G. (2011). Qualidade de vida relacionada à saúde (HRQL) de adultos entre 50 e 80 anos praticantes de atividade física regular: Aplicação do SF-36. Estudos interdisciplinares sobre o envelhecimento, 16(1), 407-420.

Gonçalves, A. K. S., Canário, A. C. G., Cabral, P. V. L., Silva, R. A. H., Spyrides, M. H. C., Giraldo, P. C., & Jr., J. E. (2011). Impacto da atividade física na qualidade de vida de mulheres de meia idade: estudo de base populacional. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 33(12), 408-413. Doi: 10.1590/S0100-72032011001200006

Hauser, E., Martins, V. F., Teixeira, A. R., & Gonçalves, A. K. (2015). Relação entre equilíbrio dinâmico e qualidade de vida de participantes de um programa de atividade física voltado ao público idoso. Revista ConScientiae Saúde, 14(2), 270-276.

Inouye, K., Orlandi, F. S., Pavarini, S. C. L., & Pedrazzani, E. S. (2018). Efeito da Universidade Aberta à Terceira Idade sobre a qualidade de vida do idoso. Revista Educação e Pesquisa, 44(1), 1-19. Doi: 10.1590/s1678-4634201708142931

Irigary, T. Q., Schneider, R. H., & Gomes, I. (2011). Efeitos de um treino e no bem-estar psicológico de idosos. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(4), 810-818. Doi: 10.1590/S0102-79722011000400022

Krabbe, S., & Vargas, A. C. (2014). Qualidade de vida percebida por mulheres em diferentes tipos de exercício físico. Revista Kairós Gerontologia, 17(2), 193-204.

Lima, A. P. M., Gomes, K. V. L., Frota, N. M., & Pereira, F. G. F. (2016). Qualidade de vida sob a óptica da pessoa idosa institucionalizada. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29(1), 14-19. Doi: 10.5020/18061230.2016.p14

Luz, M. M. C., & Amatuzzi, M. M. (2008). Vivências de felicidade de pessoas idosas. Revista Estudos de Psicologia (Campinas), 25(2), 303-307.

Mariano, E. R., Navarro, F., Sauaia, B. A., Junior, M. N. S. O., & Marques, R. F. (2013). Força muscular e qualidade de vida em idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 16(4), 805-811. Doi: 10.1590/S1809-98232013000400014

Massi, G., Wosiacki, F. T., Guarinello, A. C., Lacerda, A. B. M., Carvalho, T. P., Wanderbrooke, A. C., . . . & Lima, R. R. (2018). Envelhecimento ativo: um relato de pesquisa-intervenção. Revista CEFAC, 20(1), 5-12. Doi: 10.1590/1982-0216201820113017

Miranda, L. C., & Banhato, E. F. C. (2008). Qualidade de vida na terceira idade: A influência da participação em grupos. Revista Psicologia em pesquisa, 2(01), 69-80.

Negrão, R. A. C., & Moccellin, A. S. (2011). Importância de atividades em grupo para a qualidade de vida de mulheres pós-menopausa. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 24(4), 376-383.

Neri, A. L., Yassuda, M. S., & Cachioni, M. (2012). Velhice bem-sucedida: Aspectos afetivos e cognitivos. Campinas: Papirus.

Neta, M. L. F., Resende-Neto, A. G., Dantas, E. H. M., Almeida, M. B., Wichi, R. B., & Silva-Grigoletto, M. E. (2016). Efeitos do treinamento funcional na força, potência muscular e qualidade de vida de idosas pré-frágeis. Motricidade, 12(S2), 61-68.

Oliveira, D. V., Bertolini, S. M. M. G., & Júnior, J. M. (2014). Qualidade de vida de idosas praticantes de diferentes modalidades de exercício físico. Revista ConScientiae Saúde, 13(2), 187-195.

Oliveira, R. D., Pernambuco, C. S., Vale, R. G. S., & Dantas, E. H. M. (2009). Correlação entre Autonomia Funcional e Qualidade de vida em Idosas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 17(1), 1-19.

Orestes-Cardoso, S., Passos, K. K. M., Nascimento, S. L. C., Melo, M. V. S., & Trindade, M. O. (2015). Representações ideativas sobre edentulismo e reabilitação protética na percepção de idosos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 28(3), 394-401.

Ordenez, T. N., & Cachioni, M. (2012). A boa velhice entre os participantes de um programa de educação permanente. Revista Temática Kairós Gerontologia, 15(7), 181-194.

Organização Mundial da Saúde (2005). Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde.

Organização Mundial da Saúde (2015). Relatório Mundial de envelhecimento e saúde: Resumo. Genebra: Organização Mundial da Saúde.

Pegorari, M. S., Dias, F. A., Santos, N. M. F., & Tavares, D. M. S. (2015). Prática de atividade física no lazer entre idosos de área rural: condições de saúde e qualidade de vida. Revista da Educação Física UEM, 26(2), 233-241. Doi: 10.4025/reveducfis.v26i2.25265

Petreça, D. R., Hauser, E., Mazo, G. Z., & Benedetti, T. B. (2015). Influência da ginástica na aptidão física funcional de mulheres. Revista Brasileira de ciência e movimento, 23(2), 137-147.

Povoa, L. C., Vanuzzi, F. K., Ferreira, A. P. A., & Ferreira, A. S. (2011). Intervenção osteopática em idosos e o impacto na qualidade de vida. Revista fisioterapia em movimento, 24(3), 429-436.

Pucci, V. R., Silva, K. F., Damaceno, A. N., & Weiller, T. H. (2017). Integralidade da saúde do idoso na atenção primária à saúde: uma revisão integrativa. Revista de APS, 20(2), 263-272.

Ribeiro, P. C. C. (2015). A psicologia frente aos desafios do envelhecimento populacional. Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(2), 269-283.

Rizzolli, D., & Surdi, A. C. (2010). Percepção dos idosos sobre grupos de terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 13(2), 225-233. Doi: 10.1590/S1809-98232010000200007

Santana, M. S. (2011). Dimensão psicossocial da atividade física na velhice. Revista de Psicologia, 23(2), 337-352. Doi: 10.1590/S1984-02922011000200008

Santos, R. M. F., Santos, P. M. F., Santos, V. L. D. B., & Duarte, J. C. (2013). A qualidade de vida do idoso: o caso da Cova da Beira. Revista de Enfermagem Referência, 3(11), 37-48. Doi: 10.12707/RIII1210

Silva, E. A. L., Bresqui, G. N., Pereira, A. S., Magalhães, A. J. B., Turato, V. G. G., Silva, J. R., . . . & Camargo, R. C. T. (2014). Influência da prática de atividade física regular no índice de capacidade funcional submáxima e mobilidade funcional de idosas. Colloq Vitae, 6(3), 76-82. Doi: 10.5747/cv.2014.v06.n3.v114

Silva, E. A. P. C., Silva, P. P. C, Moura, P. V., Santos, A. R. M., Dabbico, P., . . . , & Freitas, C. M. S. M. (2012). Resiliência e saúde: uma análise da qualidade de vida em idosos. Revista ConScientiae Saúde, 11(1), 111-118. Doi: 10.5585/ConsSaude.v11n1.2709

Silva, G. B., & Buriti, M. A. (2012). Influência da dança no aspecto biopsicossocial do idoso. Revista Kairós Gerontologia, 15(2), 177-192.

Silva, S. G. (2006). A crise da Masculinidade: Uma Crítica à Identidade de Gênero e à Literatura Masculinista. Psicologia, Ciência e Profissão, 26(1), 118-131.

Silva, S. P. C., & Menandro, M. C. S. (2014). As representações sociais da saúde e de seus cuidados para homens e mulheres idosos. Revista Saúde e Sociedade, 23(2), 626-640. Doi: 10.1590/S0104-12902014000200022

Silveira, M. M., Tavares, G. M. S., Zuppa, C., Portuguez, M. W., Filho, I. G. S., Carli, G. A., . . . & Colussi, E. L. (2013). Análise da qualidade de vida de idosos frequentadores de oficinas de informática. Revista ConScientiae Saúde, 12(4), 598-603. Doi: 10.5585/ConsSaude.v12n4.4327

Simoes, R. R., Junior, M. P., & Moreira, W. W. (2011). Idosos e hidroginástica: corporeidade e vida. Revista brasileira de ciência e movimento, 19(4), 40-50.

Souza, C. M., Lautert, L., & Hilleshein, E. F. (2011). Qualidade de vida e trabalho voluntário em idosos. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(3), 665-671.

Sousa, E. M. S., & Oliveira, M. C. C. (2015). Viver a (e para) aprender: uma intervenção-ação para a promoção do envelhecimento ativo. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 18(2), 405-415. Doi: 10.1590/1809-9823.2015.14055

Straub, R. O. (2014). Psicologia da Saúde – Uma abordagem Biopsicossocial. Porto Alegre: Artmed.

Tahan, J., & Carvalho, A. C. D. (2010). Reflexões de Idosos Participantes de Grupos de Promoção de Saúde Acerca do Envelhecimento e da Qualidade de Vida. Revista Saúde e Sociedade, 19(4), 878-888. Doi: 10.1590/S0104-12902010000400014

Tamai, S. A. B., Paschoal, S. M. P., Litvoc, J., Machado, A. N., Curtiati, P. K., Prada, L. F., & Jacob-Filho, W. (2011). Impacto de um programa de promoção da saúde na qualidade de vida do idoso. Revista Einstein, 9(1), 8-13.

Teixeira, A. R., Almeida, L. G., Jotz, G. P., & Barba, M. C. (2008). Qualidade de vida de adultos e idosos pós adaptação de próteses auditivas. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 13(4), 357-361. Doi: 10.1590/S1516-80342008000400010

Toscano, J. J. O., & Oliveira, A. C. C. (2009). Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 15(3), 169-173.

Vicente, F. R., & Santos, S. M. A. (2013). Avaliação multidimensional dos determinantes do envelhecimento ativo em idosos de um município de Santa Catarina. Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Wichmann, F. M. A., Couto, A. N., Aerosa, S. V. C., & Montañés, M. C. M. (2013). Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 16(4), 821-832. Doi: 10.1590/S180-98232013000400016


Apontamentos

  • Não há apontamentos.