A percepção da família sobre o desenvolvimento da autonomia nas pessoas com deficiência intelectua

Letiara da Silva Vencato, Maria Isabel Wendling

Resumo


A deficiência intelectual é um assunto presente e muito discutido atualmente, tanto no contexto científico, quanto na sociedade. Nesse sentido, o presente artigo trata-se de um estudo qualitativo, de caráter descritivo, que buscou identificar os aspectos que influenciaram a autonomia das pessoas com deficiência intelectual na percepção dos familiares. Participaram dessa pesquisa quatro mães de jovens com deficiência intelectual, sendo utilizados uma entrevista semiestruturada e um questionário sociodemográfico. O estudo foi baseado na análise de conteúdo de Bardin. A partir dos resultados observou-se a influência do trabalho, realização de tarefas e meios eletrônicos como facilitadores de autonomia na percepção das mães. Já os aspectos dificultadores encontrados foram a insegurança destes em relação ao potencial de seus filhos e sua influência na autonomia, como o excesso de cuidados e proteção. Os contextos social e escolar também foram apontados como fatores importantes para a autonomia das pessoas com deficiência. Concluiu-se que a tecnologia, o trabalho, a realização de atividades de vida diária, o contexto social e o escolar são aspectos imprescindíveis para o desenvolvimento da autonomia dessas pessoas, além da influência das mães, que em parte, atuam como dificultadores pela falta de credibilidade na capacidade dos filhos.

Texto completo:

PDF

Referências


Abenhaim, E. (2009). Deficiência mental, aprendizagem e desenvolvimento. In Díaz, F.,

Bordas, M., Galvão, N., Miranda, T. (Orgs.). Educação inclusiva, deficiência e contexto

social: questões contemporâneas (237-244). Salvador: EDUFRA.

Alvarez, A. P. E., & Carvalho, M. C. (2006). Novas estratégias no campo da inclusão social:

moradia assistida e trabalho assistido. Psicologia para América Latina, (8), 0-0.

American Psychiatric Association (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos

mentais. (5ª. ed.). Porto Alegre: Artmed.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. São Paulo: Persona Psicologia.

Bastos, O. M., & Deslandes, S. F. (2009). Adolescer com deficiência mental: a ótica dos

pais. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 79-87.

Bissoto, M. L. (2014). Deficiência intelectual e processos de tomada de decisão: estamos

enfrentando o desafio de educar para a autonomia? Educação Unisinos, 18(1), 3-12.

Boarini, M. L. (2003). Refletindo sobre uma nova e velha família. Psicologia em Estudo,

(spe.), 1-2.

Bock, A. M. B., Furtado, O., & Teixeira, M. L. T. (2009). Psicologia do desenvolvimento. In

Bock, A. M. B., Furtado, O., & Teixeira, M. L. T. (Orgs.), Psicologias: uma introdução ao

estudo de psicologia (116-131). São Paulo: Editora Saraiva.

Borges, C. C., & Magalhães, A. S. (2009). Transição para a vida adulta: autonomia e

dependência na família. PSICO, 40(1), 42-49.

Campos, A. M. A família no processo de construção da autonomia da pessoa com

deficiência. Monografia de Especialização. Especialização em Terapia de Família.

Universidade Cândido Mendes, Instituto a vez do Mestre, Rio de Janeiro, 2006.

Cardoso, D. (2017). Superproteger ou não uma pessoa com deficiência? Retirado em 23 de

Outubro de 2017 do Laboratório de Inclusão: https://laboratoriodeinclusao.wordpress.com

Carvalho, E. N. S. (1997). Adulto com deficiência mental. In Carvalho, E.N.S. (Org.).

Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental: Deficiência Mental

(127-150). Brasília: Secretaria de Educação Especial.

Carvalho, E. N. S. (2002). Inclusão escolar de alunos portadores de deficiência: desafios. In

Carvalho, R. A. (Org.). Removendo barreiras para a aprendizagem (85-126). Porto Alegre:

Mediação.

Chicon, J. F., & SÁ, M. G. C. S. (2013). A autopercepção de alunos com deficiência

intelectual em diferentes espaços-tempos da escola. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, 35(2), 373-

Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466/2012. Recuperado em 31 de outubro

de 2017, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução nº 510/2016. Recuperado em 31 de outubro de 2017, de http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Cordeiro, M. P., Scoponi, R. S., Ferreira, S. L., & Vieira, C. M. (2007). Deficiência e teatro: arte e conscientização. Psicologia: Ciência e Profissão, 27(1), 148-155. https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932007000100012

Dessen, M. A., & Silva, N. L. P. (2000). Deficiência mental e família: uma análise da

produção científica. Paidéia (Ribeirão Preto), 10(19), 12-23.

Dias, S. S., & Oliveira, M. C. S. L. (2013). Deficiência intelectual na perspectiva histórico-

cultural: contribuições ao estudo do desenvolvimento adulto. Revista Brasileira de

Educação Especial, 19(2), 169-182.

Forgiarini, R. R. (2012). A produção da autonomia no sujeito deficiente: contribuições da

escola inclusiva. Revista Educação por escrito, 3(2), 51-63.

Ferrari, M. A. L. D., & Sekkel, M. C. (2007). Educação inclusiva no ensino superior: um

novo desafio. Psicologia: ciência e profissão, 27(4), 636-647.

Galvão-Filho, T. (2016). Deficiência intelectual e tecnologias no contexto da escola

inclusiva. In Gomes, C.(Org.). Discriminação e racismo nas Américas: um problema de

justiça, equidade e direitos humanos (305-321). Curitiba: CRV.

Goitein, P. C., & Cia, F. (2011). Interações familiares de crianças com necessidades

educacionais especiais: revisão da literatura nacional. Psicologia Escolar e Educacional,

(1), 43-51.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (2010). Ministério do Planejamento, Orçamento e

Gestão. Censo Demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas

com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE.

Leonel, W. H. S., & Leonardo, N. S. T. (2014). Concepções de professores da educação

especial (APAEs) sobre a aprendizagem e desenvolvimento do aluno com deficiência

intelectual: um estudo a partir da teoria vigotskiana. Revista Brasileira de Educação

Especial, 20(4), 541-554.

Mantoan, M. T. E. (1989a). Repensando a deficiência à luz de novos pressupostos. In

Mantoan, M. T. E (Org.). Compreendendo a deficiência mental: novos caminhos

educacionais (11-14). Porto Alegre: Scipione.

Mantoan, M. T. E. (1989b). O nascimento e os primeiros tempos de uma escola para

deficientes mentais. In Mantoan, M. T. E (Org.). Compreendendo a deficiência mental:

novos caminhos educacionais (15-38). Porto Alegre: Scipione.

McGoldrick, M. (2008). As mulheres e o ciclo de vida familiar. In Carter, B., & McGoldrick,

M. (Orgs.). As mudanças no ciclo de vida familiar uma estrutura para a terapia familiar

(30-64). Porto Alegre: Editora Artmed.

Mendes, M. V. S., Cavalcante, S. A., Oliveira, E. F., Pinto, D. M. R., Barbosa, T. S. M., &

Camargo, C. L. (2015). Crianças com retardo do desenvolvimento neuropsicomotor:

musicoterapia promovendo qualidade de vida. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(5),

-802. https://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680505i

Neves, A. P. (2011). O aluno com necessidades educacionais especiais numa escola técnica:

limitações, desafios e possibilidades. Monografia de Especialização. Especialização em

Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar. Universidade de Brasília, UnB,

Brasil.

Oliveira, I. G., & Poletto, M. (2015). Vivências emocionais de mães e pais de filhos com

deficiência. Revista da SPAGESP, 16(2), 102-119.

Organização Mundial de Saúde (1993). Classificação de Transtornos Mentais e de

Comportamento da CID-10: Descrições clínicas e diretrizes diagnósticas (220-226). Porto

Alegre: Artmed.

Organização das Nações Unidas Para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2007). Inclusão

digital e social de pessoas com deficiência. Brasília: UNESCO. Recuperado em 22 de

Outubro de 2017, de

Othero, M. B., & Ayres, J. R. C. M. (2012). Necessidades de saúde da pessoa com

deficiência: a perspectiva dos sujeitos por meio de histórias de vida. Interface (Botucatu),

(40), 219-234.

Pedro, K. M., & Chacon, M. C. M. (2013). Softwares educativos para alunos com Deficiência

Intelectual: estratégias utilizadas. Revista Brasileira de Educação Especial, 19(2), 195-

Pereira, J. R. T. (2009). Aplicação do questionário de qualidade de vida em pessoas com

deficiência intelectual. Psicologia em pesquisa, 3(1), 59-74.

Petean, E. B. L., & Neto, J. M. P. (1998). Investigações em aconselhamento genético:

impacto da primeira notícia - a reação dos pais à deficiência. Revista Medicina, Ribeirão

Preto, 31(2), p. 288-295.

Pfanner, P., & Marcheschi, M. (2008). Retardo Mental: Uma deficiência a ser compreendida

e tratada. São Paulo: Paulinas.

Prado, A. F. A. (2013). Família e deficiência. In Cerveny, C. M. O (Org.). Família e...

Comunicação, Divórcio, Mudança, Resiliência, Deficiência, Lei, Bioética, Doença,

Religião e Drogadição (85-98). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Rabêllo, R. S. (2009). A formação continuada do professor de arte na perspectiva de uma

educação inclusiva. In Díaz, F. et al. (Orgs.). Educação inclusiva, deficiência e contexto

social: questões contemporâneas (347-355). Salvador: EDUFRA.

Redig, A.G., & Glat, R. (2017). Programa educacional especializado para capacitação e

inclusão no trabalho de pessoas com deficiência intelectual. Ensaio: Avaliação e Políticas

Públicas em Educação, 25 (95), 330-355.

Rocha, E. F., & Munguba, M. (2014). Grupo de trabalho 5: terapia ocupacional e pessoas

com deficiência: desafios da contemporaneidade na constituição de saberes e práticas.

Cadernos de Terapia Ocupacional, 22(2), 355-365.

Rossato, S. P. M, & Leonardo, N. S. T. (2011). A deficiência intelectual na concepção de

educadores da Educação Especial: contribuições da psicologia histórico cultural. Revista

Brasileira de Educação Especial, 17(1), 71-86.

Santos, D. C. O. (2012). Potenciais dificuldades e facilidades na educação de alunos com

deficiência intelectual. Educação e Pesquisa, 38(4), 935-948.

Sassaki, R. K. (2008). Vida independente e inclusão na comunidade. In RESENDE, A. P. C.,

VITAL, F. M. P. A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Comentada

(72-75). Brasília: Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de

Deficiência.

Saviani-Zeoti, F., & Petean, E. B. L. (2008). A qualidade de vida de pessoas com deficiência

mental leve. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(3), 305-311.

Silva, N. L. P., & Dessen, M. A. (2001). Deficiência mental e família: implicações para o

desenvolvimento da criança. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(2), 133-141.

Silva, N. L. P., & Dessen, M. A. (2004) O que significa ter uma criança com deficiência

mental na família? Educar em Revista, 23, 161-183.

Souza, L. G. A., & Boemer, M. R. (2003). O ser-com o filho com deficiência mental: alguns

desvelamentos. Paidéia (Ribeirão Preto), 13(26), 209-219.

Tédde, S. (2012). Crianças com deficiência intelectual: a aprendizagem e a inclusão.

Dissertação de Mestrado. Mestrado em Educação, Centro Universitário Salesiano de São

Paulo, UNISAL, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.