Contabilidade - instrumento de economia fiscal: riscos e penalidades

Luciana Drehmer Trein, Sebasteão Zeno da Silva

Resumo


O presente trabalho aborda a contabilidade como instrumento de economia fiscal, seus riscos e penalidades. A pesquisa busca descrever possíveis riscos e penalidades nas áreas trabalhista, ambiental e tributária que uma empresa do setor privado possa sofrer quando não há cumprimento da legislação brasileira. Diante do exposto, o gestor da empresa tem conhecimento dos riscos ambientais, trabalhistas e tributários de sua responsabilidade, os quais, se bem administrados, podem servir de economia fiscal. Além disso, são analisadas informações pertinentes para as empresas, visando compreender o quanto é importante a contabilidade estar em conformidade com a legislação brasileira. O estudo foi realizado mediante uma pesquisa bibliográfica e documental, exploratória e qualitativa, através de questões objetivas aplicadas em empresas do ramo metalúrgico, na cidade de Igrejinha, no Vale do Paranhana/RS, sendo de interesse experiências de seu contexto e suas particularidades. Os resultados mostram que algumas destas empresas pesquisadas sofrem penalidades por não estarem em conformidade com a legislação brasileira. Na área trabalhista, constatou-se que os processos representam que mais da metade das empresas enfrentaram algum tipo de problema. Já na área ambiental, poucas empresas receberam notificações. No âmbito dos processos tributários, nota-se que um pequeno número de empresas receberam o auto de infração. Justifica-se que é possível utilizar a contabilidade como um instrumento de economia fiscal para as empresas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. Ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

BANKS, Marcus. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Ed -São Paulo Artmed, 2009.

BIER, Fernanda. Responsabilidade social e ambiental: um estudo de caso em uma empresa de tecnologia em Porto Alegre. Colóquio - Revista do Desenvolvimento Regional, FACCAT, Taquara, RS, v. l12, n. 1, jan./jun.2015.

BRASIL. Código Tributário Nacional. Terceirização. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2016.

__________. Consolidação das Leis do Trabalho. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2016.

___________. Lei nº 10.224/15 de maio de 2001. Assédio Sexual. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2016.

ESOCIAL. Manual de Orientação. Disponível em: . Acesso em: 08 set. 2016.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - FEPAM. Institucional. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2016.

GARCIA. Gustavo Filipe Barbosa. Manual de Direito do Trabalho. 8 ed.rev. atual. e ampl. -Rio de Janeiro:Forense; São Paulo: MÉTODO, 2015.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. Responsabilidade civil. 4. Ed -São Paulo. v. IV. : Saraiva, 2009.

GUIA Trabalhista. Direitos Intelectuais. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2016.

______________. NR-1. Disponível em: . Acesso: 17 mar. 2016.

______________. NR-25. Disponível em:

. Acesso em: 25 set. 2016.

_______________. NR-5. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

________________. NR-6. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

GUIA Tributário. Manual de Obrigações acessórias e tributárias. Distribuição exclusiva: Portal Tributário® Publicações, 2016. Disponível em

IBAMA. Decreto nº 6.514 de 22 de julho de 2008.Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.

LÜDKE, Menga André: Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1986.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. 7. Ed -São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, Sergio Pinto.Direito do Trabalho-32. Ed -São Paulo: Saraiva 2016.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciação ao Direito do Trabalho. 38.: Ed -São Paulo, 2013.

Segurança e Medicina do Trabalho. Manuais de legislação. NR-1 a 3365 Ed -São Paulo. Atlas, 2010.

SEMA. Institucional. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.

SÜSSEKIND, Arnaldo. Curso de Direito do Trabalho. 3. Ed -São Paulo . : Renovar, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.