DESEMPENHO DOS FORMANDOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NOS COMPONENTES CURRICULARES DO EXAME DE SUFICIÊNCIA: UMA ANÁLISE SOB A ÓTICA DO EXCESSO DE CONFIANÇA

Natália Pereira Cardoso, Kélim Bernardes Sprenger, Clóvis Antônio Kronbauer

Resumo


O presente estudo tem como objetivo identificar se o desempenho dos formandos em Ciências Contábeis nos conteúdos exigidos pelo Exame de Suficiência pode estar atrelado ao excesso de confiança. Para atingir os objetivos, desenvolveu-se uma pesquisa descritiva, com emprego de métodos mistos, realizando a coleta de dados por meio de um questionário. Para a formulação das questões, foram determinados os componentes curriculares de Perícia Contábil e Contabilidade de Custos, pois esses representam os componentes com maior e menor percentual de acertos, conforme a última edição do Exame de Suficiência. O instrumento de pesquisa foi aplicado aos formandos de graduação em Ciências Contábeis de quatro instituições de ensino do estado do Rio Grande do Sul, para o qual se obteve uma amostra de 88 respondentes. Os principais resultados indicaram que, em média, há presença do excesso de confiança (24%) em todos os componentes curriculares aos quais os estudantes em fase de conclusão do curso foram expostos, sendo que, no componente curricular Perícia, esse viés é de 26%, e, no componente Contabilidade de Custos, o excesso de confiança corresponde a 23%, diferentemente do esperado. Assim, os resultados da pesquisa proporcionaram uma melhor avaliação do desempenho dos alunos sob o viés do excesso de confiança, que foi presenciado e comprovado em todo o estudo. Além disso, por meio de uma questão descritiva, os formandos apontaram sugestões de melhorias para elevar o percentual de aprovados no Exame de Suficiência, indicando métodos úteis e passíveis de aplicação tanto pelas instituições quanto pelos alunos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALICKE, M. D.; KLOTZ, M. L.; BREITENBECHER, D. L.; YURAK, T. J.; VREDENBURG, D.S.. Personal contact, individuation, and the better-than-average effect, Journal of Personality and Social Psychology, v.68, n.5, p.804-825, 1995.

ALPERT, M.; RAIFFA, H. A Progress Report on the Training of Probability Assessors. In D. Kahneman, P. Slovic, & A. Tversky (Eds.), Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. Cambridge: Cambridge University Press, p.294-305. 1982.

BAZERMAN, M.H.; MOORE, D. Judgment in Managerial Decision Making. 7ª ed. Wiley. 2009.

­­BRASIL. Decreto nº 7.988, de 22 de setembro de 1945. Dispõe sobre o ensino superior de ciências econômicas e de ciências contábeis e atuariais. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

______. Decreto-lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

______. Decreto nº 17.329, de 28 de Maio de 1926. Approva, o regulamento para os estabelecimentos de ensino technico commercial reconhecidos officialmente pelo Governo Federal. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-17329-28-maio-1926-514068-republicacao-88142-pe.html>. Acesso em: 17 mar. 2018.

______. Decreto nº 20.158, de 30 de junho de 1931. Organiza o ensino comercial, regulamenta a profissão de contador e dá outras providências. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-20158-30-junho-1931-536778-republicacao-81246-pe.html>. Acesso em: 29 abr. 2018.

______. Decreto nº 21.033, de 8 de fevereiro de 1932. Estabelece novas condições para o registo de contadores e guarda-livros, e das outras providências. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-21033-8-fevereiro-1932-504263-norma-pe.html>. Acesso em: 29 abr. 2018.

______. Lei nº 1.401, de 31 de julho de 1951. Inclui, no curso de ciências econômicas, a cadeira de Historia Econômica Geral e do Brasil, e desdobra o curso de ciências contábeis e atuariais. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

______. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

______. Lei nº 12.249, de 11 de junho de 2010. “... altera os Decretos-Leis nos 9.295, de 27 de maio de 1946, 1.040, de 21 de outubro de 1969...”. Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

______. Resolução CFC nº 1.301, de 17 de setembro de 2010. Regulamenta o Exame de Suficiência como requisito para obtenção ou restabelecimento de Registro Profissional em Conselho Regional de Contabilidade (CRC). Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

______. Resolução CFC nº 1.373, de 08 de dezembro de 2011. Regulamenta o Exame de Suficiência como requisito para obtenção ou restabelecimento de Registro Profissional em Conselho Regional de Contabilidade (CRC). Disponível em: . Acesso em: 29 abr. 2018.

BROIETTI, Cleber. Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade: Observação das Publicações Relacionadas ao Tema. In: CONGRESSO UFSC DE CONTROLADORIA E FINANÇAS & INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM CONTABILIDADE, 5. Santa Catarina. Anais 2014. Santa Catarina: UFSC, 2014.

CARVALHO, Carolina; BIANCHI, Márcia; SOUZA, Romina Batista de Lucena de. Pronunciamentos Técnicos CPC 00 E CPC 26: Desempenho dos discentes em Ciências Contábeis de uma Universidade Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 6, de 10 de março de 2004. Institui as diretrizes nacionais curriculares para o curso de graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. In: Conselho Nacional de Educação – Câmara de Educação Superior. Legislação Republicana Brasileira. Brasília, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2018.

CRESWELL, J. W.; PLANO Clark, V.L. Designing and conducting mixed methods research. Thousand Oaks, CA: Sage. 2007.

FISCHHOFF, B.; SLOVIC; LICHTENSTEIN. Knowing with Certainty: The Appropriateness of Extreme Confidence. Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance 3; p.552-564. 1977.

FLICK, U. An Introduction to Qualitative Research, 3. ed. London: Sage. 2006.

FREIDSON, E. The Professions and their Prospects. Newbury Park: Sage. 1986.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnica de Pesquisa de Social. São Paulo. 6. ed. Atlas. 2008.

HANSON, D. R.; PLANO Clark V. L.; PETSKA, K. S.; CRESWELL, J. W; Creswell, J. D.. Mixed methods research designs in counseling psychology. Journal of Counseling Psychology, v. 52, n.2, p. 224-35. 2005.

IUDÍCIBUS, Sergio de. Teoria da Contabilidade. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Editora Objetiva, 2012.

KOEHLER et al. Confidence and accuracy in trait inference: Judgment by similarity. Acta Psychologica, 1996.

PELEIAS, Ivam Ricardo; BACCI, João. Pequena cronologia do desenvolvimento contábil no Brasil: os primeiros pensadores, a padronização contábil e os congressos brasileiros de contabilidade. Revista de Administração On-Line. São Paulo: FECAP, v.5, n.3, p.39-54, julho-setembro. 2004.

POMPIAN, M. Behavioral Finance and Wealth Management: How to Build Optimal Portfolios That Account for Investor Biases. New Jersey: John Wiley & Sons. 2006.

PRADONAV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho cientifico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

REDE JORNAL CONTABIL. Sete profissões que estão em alta no mercado. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

RODRIGUES, M. Sociologia das Profissões. Oeiras: Celta Editora, 2002.

RUSSO, J. E.; SCHOEMAKER, P. J. H.. Managing Overconfidence. Sloan Management Review, v. 33, n.2, 1992.

SILVA, Denise Mendes da. O impacto dos estilos de aprendizagem no ensino de contabilidade na FEA-RP/USP. 2006. 172 p. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, São Paulo, 2006.

SKINNER, B. Ciência e comportamento humano. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.