A PRINCIPALIDADE EM UMA COOPERATIVA DE CRÉDITO: ESTUDO DE CASO NA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB ECOCREDI NA CIDADE DE TRÊS COROAS / RS

Francielli Fiorin, Roberto Tadeu Ramos Morais

Resumo


Pesquisas   sobre   cooperativismo   mostram-se   crescentes   nos   últimos   anos,   com   isso   a cooperação  está  cada  vez  mais  presente  nos  debates  e  discussões  sobre  alternativas  para acelerar  o  desenvolvimento  econômico  e  social  dos  países.  Em  algumas  localidades,  o cooperativismo encontra-se difundido e em plena expansão, com isso buscou-se entendimento sobre  uma  das  principais  questões  dos  debates  no  meio  cooperativista:  a  principalidade  do cooperado  na utilização  de produtos e serviços.  Para melhor  entendimento dessas questões, buscaram-se subsídios  em pesquisa bibliográfica e de  campo através  de  um estudo de caso realizado na cooperativa de crédito Sicoob Ecocredi, no ponto de atendimento da cidade de Três  Coroas,  RS.  Conforme  dados  indicados  pela  cooperativa,  esse  ponto  de  atendimento conta com 1944 associados ativos, sendo 68% pessoa física e 32% pessoa jurídica,  em que cento  e  trinta  e  dois  deles  entre  pessoas  físicas,  escolhidos  aleatoriamente,  consentiram  em participar  de  uma  pesquisa,  analisando  a  sua  principalidade  (associados  que  utilizam  a cooperativa como principal instituição financeira) em relação à cooperativa. Para pesquisa, foi adotado como ferramenta um questionário com 20 questões fechadas, cujos conceitos serão medidos  quantitativamente  por  meio  de  tratamento  estatístico,  o  que  nos  assente,  em  curto prazo, inquirir a identificação de critérios e atributos valorizados pelos associados, bem como a necessidade de realizar ajustes e alterações nos processos internos da empresa. Os resultados da  pesquisa  atenderam  às  expectativas  da  cooperativa,  que  poderá,  através  deste  feedback, analisar os fatores que contribuem para fortalecer o relacionamento com  seus associados  e, ainda, mitigar as questões que ainda não estão, em seu ponto de vista, bem desenvolvidas.

Texto completo:

PDF

Referências


ANCO CENTRAL DO BRASIL – BACEN. O que é cooperativismo de Crédito, [S.l: s.n]. Disponível em: . Acesso em: 25 mar.

BALZAN, Romeo. Consórcio: diferencial competitivo para as cooperativas de crédito. Gestão Cooperativa, 71. ed. Brasília: 2015.

CARDOSO, Univaldo Coelho. et al. Cooperativa Financeira. Brasília: Sebrae, 2014. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

. Metodologia do ensino superior. 4. ed. São Paulo: Atlas 2011. GRAY, David E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estados. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2017.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisas bibliográficas, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

LIMBERGER, Emiliano. Cooperativa empresa socializante. Porto Alegre: Imprensa Livre,

MATOS, M.F.; NINAUT, E.S. O cooperativismo frente às perspectivas econômicas. INFOTEC: Informativo Técnico do sistema OCB, n.2, 2007. Disponível em:

. Acesso em: 07 abr. 2017.

MEINEN, Ênio; PORT, Márcio. Cooperativismo Financeiro: percurso histórico, perspectivas e desafios. Brasília: Confecras, 2014.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de gestão das cooperativas: uma abordagem prática. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

OLIVEIRA, José Rudinei de. O comprometimento do associado com a cooperativa. 2007.

p. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção). Área de Concentração e Gerência da Produção, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007. Disponível em:

/Publico/Rudnei.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

OLIVEIRA JUNIOR, Carlos Claro de. Avaliação da eficiência empresarial das cooperativas.

Série cooperativismo. Paraná: OCEPAR, 1991.

OLIVEIRA, Silvio Luiz. Tratando de metodologia científica. São Paulo: Pioneira, 2001. ORGANIZAÇÃO das cooperativas do Estado de Santa Caarina – OCESC. O cooperativismo

ao alcance de todos. 2. ed. Florianópolis: Itec, 1996

PERIUS, Vergílio Frederico. Cooperativismo e lei. São Leopoldo: Unisinos, 2001. PINHEIRO, Marcos Antonio Henriques. Cooperativas de crédito: história da evolução

normativa no Brasil. 6. ed. Brasília: BCB, 2008.

PINHO, Diva Benevides; PALHARES, Valdecir Manuel Affonso (organizadores). O

cooperativismo de crédito no Brasil: do século XX ao século XXI. Brasília: Confebrás, 2004.

SANTOS, Sandra Regina Toledo dos. Estratégias de gestão aplicadas às cooperativas. Porto

Alegre: Buqui, 2015.

SCHNEIDER, José Odelso. Democracia, participação e autonomia cooperativistas. 2.ed. São

Leopoldo: UNISINOS, 1999

SCHNEIDER, José Odelso (coordenador); Educação e capacitação cooperativa: os desafios no seu desempenho. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2010

SEIBEL, Ivan. Educação cooperativista: a implantação na singular. Porto Alegre: WS, 2001

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL – OCERGS. Expressão do Cooperativismo Gaúcho 2017. Porto Alegre. [S.l: s.n]. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2017.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,

ZDANOWICZ, José Eduardo. Manual de finanças para cooperativas e demais Sociedades. Porto Alegre: Dora Luzzatto, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.