O uso de estratégias genéricas para obtenção de vantagens competitivas em empresa de materiais de construção no município de Parobé - RS

Diego Silveira de Carvalho, José Eduardo Zdanowicz

Resumo


As constantes mudanças que se processam no ambiente empresarial exigem das organizações novas ações que proporcionam expressivo aprendizado quanto às definições de concorrência e competitividade. Portanto, o comportamento que os gestores passaram a executar demonstra que a estratégia se tornou fundamental para a ampliação ou permanência de qualquer organização no mercado globalizado. O trabalho objetivou a análise das estratégias genéricas utilizadas em empresa de materiais de construção, instalada no município de Parobé - RS, na obtenção de vantagens competitivas. Como metodologia, foram adotados os procedimentos de um estudo de caso baseado em entrevistas realizadas com os gestores da empresa, respaldando-se nas fundamentações bibliográficas. Após os resultados obtidos, foram analisados os dados, visando verificar a importância que os gestores depositam nas estratégias, enquanto ferramentas para a manutenção da empresa no mercado e concluiu-se que o uso de estratégias genéricas se constitui em diferencial de significativa influência à obtenção de vantagens competitivas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, K. PIB da construção civil tem maior queda entre os setores da indústria no segundo semestre do ano. Negócios. Revista Construção [online]. Publicado em 28 ago. 2015. Disponível em: . Acesso em 13 mar. 2016.

ANAMACO. Associação Nacional de Materiais de Construção. Dados do Setor. Disponível em: . Acesso em: 23 abr. 2016.

ANSOFF, H. I. Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw Hill, 1979.

BETHLEM, A. de S. Estratégia empresarial: conceitos, processo e administração estratégica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria da Receita Federal do Brasil. Simples – Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP). Publicado em: 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Infraestrutura. Minha Casa Minha Vida já atendeu mais de 97% dos municípios do Rio Grande do Norte. Portal Brasil. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2016.

BRASIL. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social-BNDES. Disponível em:

. Acesso em: 20 out. 2016.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Cidades@, Rio Grande do Sul, Parobé. Informações estatísticas 2016. Disponível em: . Acesso em 13 mar. 2016.

CERTO, S. C.; PETER, J. P. Administração Estratégica: planejamento e implantação da estratégia. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2005.

CHIAVENATO, I.; SAPIRO, A. Planejamento Estratégico: fundamentos e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2002.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

FERNANDES, D. R. Uma visão sobre a análise da Matriz SWOT como ferramenta para elaboração da estratégia. UNOPAR Científica Ciências Jurídicas e Empresariais, Londrina, v.13, n.2., set./2012, p.57-68, Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2016.

GIL, A. C.Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIMENEZ, F. A. P. et al. Estratégia em pequenas empresas: uma aplicação do modelo de Miles e Snow. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v.3, n.2, p. 53-74, maio/ago. 1999. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2016.

GREENHALGH, L. Relacionamentos estratégicos: a chave para o sucesso nos negócios. Trad.: Elaine Pepe. São Paulo: Negócio Editora, 2002.

MINTZBERG, H. et al. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, H. Estratégias genéricas de negócio. In: MITZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001a, p.89-97.

MINTZBERG, H. Estratégias empresariais genéricas. In: MITZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001b, p.326-330.

MORAIS, R. T. R. Planejamento Estratégico: um bem ou mal necessário? 2. ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 2005.

OLIVEIRA, D. de P. R. de. Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 26. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

PORTER, M. E. Como forças competitivas moldam a estratégia. In: MITZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001, p.82-89.

PORTER, M. E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2. ed. Trad.: Elizabeth Maria de Pinho Braga. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

QUINN, J. B. Estratégias para mudança. In: MITZBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001, p.20-26.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Micro e pequenas empresas recebem capacitação. Notícias. Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios [online], Editora Globo. Publicado em ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2016.

SINDUSCON-RS. Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul. INCC-M março/2016. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.