AS CAUSAS DA ROTATIVIDADE DE PESSOAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR COMERCIAL DE UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Joseandra Cristina dos Santos Ripel, Renan Ribeiro da Silva de Castro

Resumo


A competitividade no mercado de trabalho reflete diretamente na rotatividade de pessoal, tornando-se um desafio para a gestão de pessoas manter o quadro de colaboradores equilibrado e reter bons profissionais, que são responsáveis pelo crescimento da organização. Neste contexto, o controle dos índices de rotatividade nas organizações torna-se um diferencial perante a concorrência. O presente artigo tem por finalidade analisar as causas da rotatividade de pessoal no setor comercial de uma instituição financeira, localizada no Rio Grande do Sul (RS), a fim de elaborar ações que possam minimizar os índices atuais desta organização. Para a elaboração desta pesquisa qualitativa, além da revisão da literatura relacionada ao tema abordado, foram coletados os dados por meio de um questionário, de modo a identificar quais as causas da rotatividade deste setor. Como resultado, foi possível verificar que a rotatividade, nesta organização, em grande maioria, é por decisão da empresa em função dos demitidos não se adaptarem às suas exigências e apresentarem dificuldades no alcance das metas.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, Marcelino Tadeu de. Indicadores de gestão de recursos humanos: usando indicadores demográficos, e de processos na gestão do capital humano. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.

CASTRO, Luciano Thomé e; NEVES, Fava Marcos. Administração de Vendas: Planejamento, Estratégia e Gestão. São Paulo: Atlas, 2011.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIECONÔMICOS – DIEESE. Rotatividade e flexibilidade no mercado de trabalho. São Paulo: DIEESE, 2011.

DUTRA, Joel Souza. Gestão de pessoas: Modelo, Processos, Tendências e Perspectivas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2016

FRANÇA, Ana Cristina Limongi. Práticas de Recursos Humanos – PRH. São Paulo: Atlas, 2014

GASPARETTO, Luiz Eduardo. Pesquisa de clima organizacional: O que é e como fazer. São Paulo: Scortecci, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2001.

LACOMBE, Francisco José Masset. Recursos Humanos: Princípios e tendências. São Paulo: Saraiva, 2005.

LEMOS, Denise Maria Rocha; MARTINS, Priscilla de Oliveira. Avaliação de clima organizacional e a análise da relação entre a variável comportamento da chefia nas demais variáveis de clima: um estudo de caso em uma instituição financeira Capixaba. In: XXXI ENCONTRO DA ANPAD, 2007, Rio de Janeiro. Anais [...] Rio de Janeiro: Enanpad, 2007. Disponível em:< http://www.fucape.br/_public/producao_cientifica/2/artigo%20(Denise%20Lemos).pdf>. Acesso em: 02 nov. 2019.

LUZ, Ricardo Silveira. Gestão de pessoas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos: Do operacional ao estratégico. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

MARX, R. Organização para a inovação: avaliação crítica dos projetos e da implantação de trabalho em grupos com autonomia. 2008. 204 f. Tese (Doutorado em Livre-docência), Universidade de São Paulo, Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2019.

ORTEGA, Marcelo. Inteligência em vendas: O manual para os melhores líderes em vendas. São Paulo: Saraiva, 2009.

PONTES, Benedito Rodrigues. Planejamento, recrutamento e seleção de pessoal. 5. ed. São Paulo, 2008.

ROBBINS, Stephen P., 1943. Comportamento organizacional. 14. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS - SEBRAE. Rotatividade de colaboradores é recorrente no varejo. 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2019.

TEIXEIRA, Gilnei Mourão. Gestão estratégica de pessoas. Rio de Janeiro: FGV, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.