FATORES QUE MOTIVAM O EMPREENDEDORISMO JOVEM NO MUNICÍPIO DE ROLANTE-RS

Débora de Andrade Marco, Daniele dos Santos Guidotti Pereira

Resumo


O empreendedorismo juvenil tem crescido muito e tem sido cada vez mais pesquisado nos últimos anos, sendo um importante segmento para a sociedade e à economias regionais. A atividade empreendedora é uma oportunidade de estímulo e motivação ao desenvolvimento da sociedade. Com base neste cenário, o presente artigo tem como objetivo analisar os fatores que motivam os jovens empresários da cidade de Rolante, associados à ACISA (Associação do Comércio Indústria Serviços e Agropecuária), a empreender. Trata-se de um estudo quali-quantitativo, descritivo-exploratório quanto aos objetivos e classificado como levantamento (Survey) no que tange aos procedimentos técnicos. Utilizou-se a abordagem quantitativa na apresentação dos resultados, com base estatística descritiva, e qualitativa na elaboração do instrumento, coleta dos dados e na análise dos resultados, estudados a partir da análise de Bardin. Os resultados evidenciaram que a maior motivação para o inicio do negócio é a identificação da oportunidade, assim como a vontade de empreender. Verificou- se também que, mesmo que a maioria dos jovens respondentes já tiveram experiências profissionais anteriores ao empreendimento próprio, acabaram optando por serem empreendedores, assumindo os riscos e responsabilidades.

Texto completo:

PDF

Referências


BROUARD, F. E.; LARIVET, S. Social entrepreneurship: definitions and boundaries. Ottawa: Anser-Ares, 2009.

BRUYAT, C.; JULIEN, P. A. Defining the fi eld of research in entrepreneurship. Journal of Business Venturing, v. 16, n. 2, 2001.

BULGACOV, Y. L. M. et al. Jovem empreendedor no Brasil: a busca do espaço da realização ou a fuga da exclusão? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 45, n. 3, p. 695 a 720, dez. 2011. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7012/5571. Acesso em: 03 set. 2019.

CHIAVENATO, I. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: Saraiva, 2005.

DEGEN, R. J. O empreendedor: Empreendedor como opção de carreira. São Paulo. Pearson Prentice Hall, 2009

DELMAR, F.; SHANE, S. What fi rm founders do: a longitudinal study of the start-up process. In: BYGRAVE, W. D. et al. (Ed.). Frontiers of Entrepreneurship Research 2002. Wellesley: Babson College, 2002. p. 632-645. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ram/v9n8/a04v9n8.pdf. Acesso: 03 set. 2019.

DOLABELA, F. O Segredo de Luísa. 30 ed. São Paulo: Editora de Cultura, 2006.

_______. Oficina do Empreendedor. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

DOLABELA, F.; FILION, L. J. O ensino de empreendedorismo: panorama brasileiro. In: SEMINÁRIO A UNIVERSIDADE FORMANDO EMPREENDEDORES, maio/1999. Brasília: CNI, 1999.

DORNELAS, J. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

_______. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 6 ed. São Paulo: Empreende/Atlas, 2017.

DUTRA, S. I.; PREVIDELLI, J. J. Perfil do empreendedor versus mortalidade de empresas: estudo de caso do perfil do micro e pequeno empreendedor. In: Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, 2003, Atibaia, Anais... Atibaia: ANPAD, 2003.

FARRELL, L. Entrepreneurship: Fundamentos das organizações empreendedoras: técnicas que se tornam competitivas. Tradução e adaptação Heraldo da Silva Tino. São Paulo: Atlas, 1993.

FAYOLLE, A.; FILION, L. J. Devenir entrepreneur: des enjeux aux outils. Paris: Village Mondial, 2006.

FILION, L. J. O empreendedorismo como tema de estudos superiores. In: DOLABELA, F. et al. Empreendedorismo, ciência, técnica e arte. Brasília: Instituto Euvaldo Lodi (CNI Nacional), 2000.

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR - GEM. Empreendedorismo no Brasil. Relatório Executivo. 2014. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Estudos%20e%20Pesquisas/gem%202014_relat%C3%B3rio%20executivo.pdf. Acesso em: 01 mai 2019.

______. Empreendedorismo no Brasil – 2016. Curitiba: IBQP, 2017. Disponível em:

%20-%20web.pdf>. Acesso em: 01 mai 2019.

GRUN, R. Dinheiro no bolso, carrão e loja no shopping: estratégias educacionais e estratégias de reprodução social em famílias de imigrantes armênios. In: NOGUEIRA, M. A.; ALMEIDA, A. M. F. A escolarização das elites. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

HINDLE, T. “Guide to Management Ideas and Gurus”. The Economist, n. 42, Bloomberg Press, 2008.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. População 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/riozinho/panorama. Acesso em: 01 abr. 2019.

LIMA-FILHO, D. O.; SPROESSER, R. L.; MARTINS, E. L. C. Empreendedorismo e Jovens Empreendedores. In: Revista de Ciências da Administração, v.11, n.24, mai/ago - 2009, p.246-277. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/adm/article/view/2175-8077.2009v11n24p246/12623. Acesso em: 03 set. 2019.

MACHADO, H. P. V.; GIMENEZ, F. A. P. Empreendedorismo e diversidade: uma abordagem demográfica de casos brasileiros. Anais do I EGEPE, out./2000. p. 132-143.

McCLELLAND, David. The achieving society. Princeton, New Jersey: Van Nostrand, 1987.

RIVERIN, N.; JEAN, N. L’entrepreneuriat chez les jeunes du Québec: état de la situation. Relatório de pesquisa. 2005. Disponível em: http://www.he.ca/entreneuriat. Acesso em: 09 abr. 2019.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – SEBRAE. Tudo o que precisa saber para criar o seu plano de negócio. 2019. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/como-elaborar-um-plano-de-negocio,37d2438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD. Acesso em: 23 mai. 2019.

SHANE, S.; VENKATARAMAN, S.The promise of entrepreneurship as a Field of research. In: Academy of Management Review, v. 25, n. 1, 2000. p. 217-226. Disponível em: www.jstor.org/discover/10.2307/259271?uid=3737664&uid=2129&uid=2&uid=70&uid=4&s id=21102539411073. Acesso em: 14 ago. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.