AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DE UTILIZAR O FOMENTO MERCANTIL COMO FLUXO DE CAIXA: UM ESTUDO DE CASO MÚLTIPLO EM INDÚSTRIAS CALÇADISTAS DO VALE DO PARANHANA

Angela Rosa Galle Da Luz, Tiago Farias Dias

Resumo


Este artigo tem como assunto a utilização do fomento mercantil para fluxo de caixa nas indústrias calçadistas de Três Coroas, Vale do Paranhana – RS. O objetivo desta pesquisa é descobrir quais os fatores que levaram essas empresas a utilizar esse meio de financiamento. A metodologia utilizada foi o estudo de caso múltiplo, com a pesquisa realizada através de entrevista semiestruturada presencial. A amostra utilizada foi de cinco indústrias calçadistas de Três Coroas/RS, escolhidas por usarem Factoring. A análise de dados coletados é de forma qualitativa, trazendo as informações coletadas em forma de trechos para a pesquisa. Ao analisar os dados, foi possível identificar que as empresas utilizam desse meio de financiamento devido às diversas vantagens e por dificuldade de caixa. Percebe-se que as empresas entrevistadas vêm passando por diversas dificuldades financeiras e que essa fonte de financiamento tem sido a mais vantajosa devido à sua agilidade, praticidade e possibilidade de crédito para as empresas inadimplentes.

Texto completo:

PDF

Referências


ABFAC, Associação Brasileira de Factoring. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2019.

ANFAC, Factoring. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2019.

ANFAC, Securitizadora. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2019.

BACEN, Banco central do Brasil. Bancos comerciais. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Editora 70, 2011.

BOA VISTA, Securitizadora. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2019.

BM&FBOVESPA, Fundos de Investimento. Disponível em: . Acesso em: 08 abr. 2019.

BRIGHAM, Eugene F. et al. Administração Financeira. 1. Ed. São Paulo: Atlas 2001.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

CERVO, Amado Luiz; et al. Metodologia Científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

EXAME, Diante da crise, profissionais de Factoring ganham espaço no mercado. Disponível em: . Acesso em: 07 nov. 2019.

FEBRABAM, Compror. Disponível em: 010compror>. Acesso em: 03 nov. 2019.

FEBRABAM, Vendor. Disponível em: dwn>. Acesso em: 03 nov. 2019.

GIL, Antonio Carlos. Metodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

NETO, José Vittorato, REIS, Carlos Donato. Manual de gestão e programação financeira de pagamentos. 1. ed. São Paulo: Edicta, 2000.

LUNELLI, Reinaldo Luiz. Capital De Giro. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2019.

MATIAS, Alberto Borges. Finanças corporativas de curto prazo: a gestão do valor do capital de giro. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

SEBRAE. Critérios de classificação de empresas. Disponível em: < http://www.sebrae-sc.com.br/leis/default.asp?vcdtexto=4154>. Acesso em 07 nov. 2019.

SEBRAE. Fluxo de Caixa. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2019.

SEBRAE. Os C´S Do crédito. Disponível em: . Acesso em: 08 de abr. 2019.

SANTOS, Paulo Lenir dos. Disponível em:

ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de caixa: uma decisão de planejamento e controle financeiros. Porto Alegre: Sagra Luzzatto,2000.

ZDANOWICZ, José Eduardo. Manual de Finanças para Cooperativas e demais sociedades. Porto Alegre: Dora Luzzato, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.