PERCEPÇÕES DE GESTORES MASCULINOS SOBRE LIDERANÇA FEMININA

Patrícia Aparecida Matos Rodrigues, Fernando Dewes

Resumo


O artigo apresenta os resultados de um estudo realizado por meio de uma abordagem quantitativa, que teve como objetivo identificar e analisar as percepções de 15 gestores e/ou proprietários de empresas, do sexo masculino, no que se refere a mulheres no exercício de liderança. Foi aplicada uma escala no formato Likert, contendo itens sobre características de personalidade, estilos de liderança e fatores restritivos ao exercício da liderança feminina. Os resultados indicaram a presença de estereótipos dirigidos a mulheres líderes, mas, ao mesmo tempo, sugeriram uma evolução nas percepções e crenças relativas à liderança feminina, que podem revelar uma compreensão mais realista e menos estereotipada, por parte de executivos/proprietários de empresas, com relação às mulheres no exercício de papéis de líderes.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. A. A; MEIRELLES, R.L. Mulheres e homens em ocupação de cargos de direção e assessoramento superior na carreira de especialistas em políticas públicas e gestão governamental. (EPPGG). Rio de Janeiro: IPEA, 2012. Disponível em . Acesso em 10 abr. 2018.

ARAÚJO, C.; SCALCON, C. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2005.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 9. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrandd Brasil, 1999.

BRANNON, L. Gender: psychological perspectives. Boston: Allyn and Baccon, 1999.

BRUSCHINI, C.; PUPPIN, A. B. Trabalho de mulheres executivas no Brasil no final do Século XX. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, jan./abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2018.

CATHO. Mulher aumenta presença na escala corporativa. 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2018.

CHU, Chin-Ning. A arte da guerra para mulheres. Curitiba: Fundamento Educacional, 2003.

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

CONSELHO FEDERAL DE ADMINISTRAÇÃO. Mulheres não são mais multitarefas do que homens, diz pesquisa. Notícia Diária, [online], ano I, n. 71, 11 mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

COSTA, F. J. Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2011.

COUTINHO, Maria Lúcia; COUTINHO, Rodrigo Rocha. Mulheres brasileiras em posições de liderança: novas perspectivas para antigos desafios. Economia Global e Gestão, Lisboa, v.16, n.1, abr. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2018.

CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa Métodos Qualitativos, Quantitativos e Mistos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DAFT, Richard L. Administração. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

DANA, Lorena. Qual a origem do Dia Internacional da Mulher? Super Interessante. [online], mar. 2016. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/qual-a-origem-do-dia-internacional-da-mulher/. Acesso em: 8 jul. 2018.

DAVLINS, A. S.; BERSTEIN, J. Interactive way finding: Use of cues by men and women. Journal of Environmental Psychology, v. 15, n.1, p. 23-38, 1995.

DUCKER, Peter. O líder do futuro. São Paulo: Futura, 1996.

FERREIRA, M. C. Identidade de gênero e atitudes sobre a mulher. Psicologia: teoria e pesquisa, [online], v. 15, n. 3, p. 249-255, set./dez. 1999. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

FONSECA, J. J. S. D. Metodologia da Pesquisa Científica. Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, 2002. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2018.

FONSECA, R. M. G. S. da. Equidade de gênero e saúde das mulheres. Rev. da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 39, n.4, p.450-459, 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2018.

GONÇALVES, R. M. M. C. Um estudo sobre liderança feminina: motivação, bem-estar subjetivo e bem-estar no trabalho. 2012. 139 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e das Organizações) – Universidade do Algarve, Faro, Portugal, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

GOLBENDERG. M. Gênero e corpo na cultura brasileira. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 65-80. 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DEGEOGRAFIA E ESTATISTICA. Síntese de Indicadores Sociais - Uma análise das condições de vida da população brasileira entre os anos de 2005 e 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2018.

JAMES, J. B. What are the social issues involved in focusing difference in the study of gender. Journal of Social Issues, v. 53, n. 2, p. 213-232, 1997.

JORDÃO, Sonia Dias. A arte de liderar: vivenciando mudanças num mundo globalizado. 2. ed. Belo Horizonte: Tecer Liderança, 2004.

KETS DE VRIES, Manfred F. R. Liderança na empresa – como comportamento do lideres afeta a cultura interna. São Paulo: Atlas, 1997.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARQUES, José Roberto. Liderança feminina: agora é que são elas! 2011. Disponível em Acesso em: 04 ago. 2018.

MAXIMIANO, Antonio, C. A. Teoria geral da administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2000.

MELO, G. F.; GIAVONI, A.; TRÓCCOLI, B. T. Estereótipos de gênero aplicados a mulheres atletas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, [online]. v. 20, n. 3, p. 251-256, set./dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2018.

MENEGUETE, Antonio. Feminilidade como sexo, poder, graça. 5. ed. Rio Grande do Sul: Ontopsicológica Editora Universitária, 2013.

MONTANA, Patrick J.; CHARNOW, Bruce H. Administração. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

NOGUEIRA, M. C. O. C. Os discursos das mulheres em posições de poder. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 9, n. 2, p. 57-72. 2006.

RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS - RAIS. Informações. 2000. Disponível em . Acesso em: 04 ago. 2018.

RENESCH, J. Liderança para uma nova era: estratégias visionárias para a maior das crises do nosso tempo. São Paulo: Cultrix, 2003.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

______. Comportamento Organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

ROTHMANN, S.; COOPER, C. L. Fundamentos de psicologia organizacional do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

SINA, A. mulher e trabalho – O desafio de conciliar diferentes papéis na sociedade. São Paulo: Saraiva, 2005.

STAWINSKI, D.; FROM, D. A. Liderança feminina nas organizações: desafios e oportunidades. Vitrine Prod. Acadêmica, Curitiba, v.4, n.1, p.159-170, jan./jun. 2016. Disponível em: Acesso em: 10 abr. 2018.

VIEIRA, Graziella Ferreira Neves; SILVA, Thaysa Danyella Lira da. Como elas veem o mundo dos negócios? Lutas, Conquistas e Estereótipos da mulher no mercado de trabalho a partir da percepção de alunas concluintes do curso de Administração. In: 10º CONVIBRA, 10, 2013, [online]. Anais Eletrônicos Convibra, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2018.

WANG, M.; JABLONSKI, B.; MAGALHÃES, A. S. Identidades masculinas: limites e possibilidade. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 54-65, jun. 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.